Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Barclays pede perdão por ter manipulado a Libor

"Estamos arrependidos pelo que aconteceu." Num comunicado assinado pelo chairman Marcus Agius, que já anunciou que vai abandonar o cargo, o banco pede desculpa por ter manipulado a taxa Libor.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 17
  • ...
Este caso, que remonta a 2008 e envolve, além do Barclays, o Citigroup, o UBS, o Royal Bank of Scotland e o Bank of America, já levou à demissão de três executivos de topo do banco britânico: Marcus Agius, o CEO Robert Diamond e o COO (director operacional) Jerry Del Missier.

As demissões ocorreram no início de Julho e cerca de uma semana após o Barclays ter chegado a acordo com a reguladora britânica (FSA), a comissão norte-americana de negociação de futuros (CFTC) e ainda o departamento de Justiça dos EUA e ter aceite pagar uma coima total de 290 milhões de libras (360 milhões de euros).

Hoje, o banco pediu desculpa por ter manipulado a taxa Libor e garantiu "estar, verdadeiramente, arrependido com o que aconteceu". Marcus Agius promete aos seus accionistas e clientes que o banco "não irá voltar a distrair-se do que realmente importa".

"A administração agradece aos seus colaboradores o compromisso e determinação para garantir que os clientes estão no centro de tudo o que fazemos", escreve Marcus Agius.

Marcus Agius foi o primeiro executivo do Barclays a apresentar a demissão na sequência do escândalo mas permanecerá em funções até que seja nomeado o novo chairman e CEO. Já Robert Diamond anunciou a sua demissão com efeitos imediatos.

Na altura em que Diamond abandonou o banco chegou a falar-se de uma possível saída do director financeiro Chris Lucas. Esta, no entanto, nunca chegou a concretizar-se.

No entanto, Chris Lucas vê-se agora envolvido numa nova investigação ao banco britânico que envolve financiamentos captados junto de países do Médio Oriente em 2008. O regulador britânico (FSA) está a investigar a qualidade da informação prestada pelo banco, no âmbito das comissões pagas em vários acordos comerciais, bem como a sua ligação aos fundos angariados pelo banco britânico em Novembro de 2008. Ou seja, o regulador suspeita que o Barclays tenha favorecido comercialmente as entidades a que depois recorreu para se recapitalizar.

Escândalo da Libor
A manipulação da taxa interbancária mais usada no mundo foi notícia pela primeira vez em 2008. As autoridades dos EUA, Japão e Reino Unido já intimaram alguns dos maiores bancos do mundo a prestar declarações, devido a suspeitas sobre a negociação de instrumentos derivados sobre taxas de juro.

A questão foi levantada pela primeira vez pelo Wall Street Journal, em Maio de 2008. Um estudo realizado pelo diário financeiro americano concluía que alguns dos 16 bancos que contribuem para a formação da Libor, entre eles o Citigroup, o HBOS, o JP Morgan e o UBS, estavam a dar taxas de financiamento mais baixas do que conseguiam na realidade. O objectivo era passar para os restantes bancos a imagem de que continuavam a beneficiar de custos de financiamento acessíveis, apesar do aperto de liquidez que já se estava a criar por causa do subprime .

Tal como a Euribor, a Libor é uma taxa interbancária que exprime o juro médio a que os bancos participantes estão dispostos a emprestar uns aos outros. Criada pela British Bankers Association em 1986, a taxa existe em dólares, euros e noutras oito moedas, e serve de referência para dez biliões de dólares de empréstimos e contratos financeiros no valor de 350 biliões de dólares, em todo o mundo.

A existência de uma investigação internacional veio a lume em Março de 2011 através do relatório e contas de 2010 do UBS que, dando seguimento ao preceito legal que obriga a informar os accionistas sobre eventuais casos judiciais, refere que o banco tinha sido intimado a prestar esclarecimentos por três autoridades nos EUA e recebido pedidos de informação do Japão e do Reino Unido. Os reguladores queriam saber se o banco suíço tinha manipulado as taxas Libor, sozinho ou em conjunto com outros bancos. Os factos remontam ao período entre 2006 e 2008, apanhando os meses mais difíceis da crise financeira.

Além do banco suíço, foram intimados outros gigantes da indústria, como o Bank of America, o Citigroup e o Barclays. Os relatórios e contas de outras instituições vieram trazer mais luz sobre o tema. O Royal Bank of Scotland admitiu que estava a ser investigado por alegadamente ter manipulado o valor da Libor do dólar e o preço de instrumentos derivados relacionados com a taxa, em vários mercados.

Ou seja, os bancos terão tirado partido da sua influência na definição da Libor para formar uma taxa de acordo com os seus interesses, ao fornecerem valores incorrectos.
Ver comentários
Saber mais Barclays Libor Marcus Agius Citigroup UBS Royal Bank of Scotland Bank of America Robert Diamond Jerry Del Missier FSA Chris Lucas
Outras Notícias