Banca & Finanças Bataglia era sócio e administrador de empresas mas Salgado é que conduziu vendas

Bataglia era sócio e administrador de empresas mas Salgado é que conduziu vendas

As vendas da Escom BV e da Legacy, espécie de empresas "saudável" e "tóxica" resultante da Escom, continuam a suscitar dúvidas dos deputados.
Bataglia era sócio e administrador de empresas mas Salgado é que conduziu vendas
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 27 de janeiro de 2015 às 18:14

Hélder Bataglia detém 33% da Escom, sendo o sócio maioritário o Grupo Espírito Santo. Na última década, a sociedade, criada em 1992, foi dividida em dois: a Escom BV, holandesa, e a Legacy, esta última uma espécie de empresa tóxica, com os passivos das actividades que correram mal.

 

A Escom BV deveria ter sido vendida a sociedades ligadas à Sonangol – negócio que nunca se concretizou. A Legacy, pelo contrário, foi alienada à Vaningo. Após essa venda, Hélder Bataglia e o resto da administração da Escom deixou de ter presença na Legacy, passou a pertencer apenas à Escom BV. Mas antes disso, mesmo sendo um sócio dessa Legacy, não esteve a acompanhar o processo de venda. "Não sei a quem pertence a empresa Vaningo". Bataglia afirmou aos deputados que apenas deu autorização para a venda. "O GES tratou do assunto".

 

A compra da Legacy, com um passivo muito superior ao activo, pela Vaningo foi feita por 3 euros. Um negócio que tem suscitado dúvidas pelos deputados da comissão parlamentar de inquérito dado que o Grupo Espírito Santo, através da ESI, continuou a pagar juros de uma dívida da Legacy ao BES. Dívida que passou, com a venda, para o BESA – e que passou a estar protegida pela garantia soberana angolana. Hélder Bataglia disse aos deputados desconhecer que a venda tinha sido feita por 3 euros. "Não sabia, francamente, quando, a quem, como".

 

Na venda da Escom BV, mesmo sendo um accionista maioritário, Bataglia também se manteve distante, já que Ricardo Salgado era quem estava a liderar esse processo. "Quem negociou a venda da Escom à Sonangol foi sempre o Dr. Ricardo Salgado desde o primeiro dia em que apareceram interessados angolanos. Não participei na venda mas ia sendo informado dos vários passos", confessou Hélder Bataglia. 

 

A alienação da Escom nunca se concretizou, embora ainda não haja explicações para que esta operação, em que houve um pagamento de um sinal, não tenha sido concluída. 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI