Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BCP em mínimo histórico na despedida do Stoxx 600

Cada acção do banco vale 0,0163 euros no fecho da semana, depois de uma queda de 9,44% naquele que foi o maior recuo do índice PSI-20.

Miguel Baltazar/Negócios
Paulo Zacarias Gomes paulozgomes@negocios.pt 16 de Setembro de 2016 às 17:02

Os títulos do BCP encerraram esta sexta-feira no valor de fecho mais baixo de sempre, num dia marcado pela queda dos títulos do sector financeiro na Europa e na última sessão em que o banco liderado por Nuno Amado cota no índice Stoxx 600.


Cada acção do banco vale 0,0163 euros no fecho da semana, depois de uma queda de 9,44% naquele que foi o maior recuo do índice PSI-20.

Esta sexta-feira foi o último dia em que as acções cotaram no índice que agrega as 600 maiores empresas da Europa, uma saída que leva os fundos a refazerem as suas carteiras para fazer reflectir a revisão. As cotadas que saem sofrem impacto negativo e as que entram beneficiam de um efeito positivo.

Na sessão de hoje foram negociados 1,4 mil milhões de títulos do banco, o valor mais elevado desde 31 de Maio, e que compara com 353,6 milhões de acções transaccionadas em média diariamente nos últimos seis meses, quase quatro vezes mais.

O dia foi de resto negativo para a generalidade dos títulos da área financeira no Velho Continente. O índice que agrega as cotadas da banca do Stoxx 600 caiu 2,1%, perante o tombo de 8,47% do Deutsche Bank. O banco alemão foi notificado pelo Departamento de Justiça norte-americano para pagar uma multa de 12,4 mil milhões de euros, montante que não tencionará liquidar.

Em Lisboa, a destoar do BCP e das pares europeias esteve o BPI - fechou a somar 1,46% para 1,04 euros - a poucos dias da assembleia-geral que votará a desblindagem dos estatutos do banco, mantando-se a oferta pública de aquisição do CaixaBank de 1,113 euros por acção. Esta sexta-feira o Citigroup aconselhou os accionistas a venderem aos catalães.

O mínimo histórico marca o final da semana em que a administração do BCP aprovou a entrada dos chineses da Fosun no capital do banco, num entendimento que a instituição espera alcançar até ao fim do mês. 

(Notícia actualizada às 17:16 com mais informação)

Ver comentários
Saber mais BCP Nuno Amado economia negócios e finanças banca
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio