Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BIC reconhece lentidão na saída de Angola do radar internacional de branqueamento capitais

O presidente do banco angolano BIC, Fernando Teles, diz que o sector bancário em Angola está sob forte vigilância internacional, no contexto da saída do país do radar de vigilância sobre branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo, que está a ser lenta.

Lusa 26 de Abril de 2016 às 20:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Angola saiu no início do ano da lista do GAFI (Grupo de Acção Financeira Internacional), organismo intergovernamental que visa conceber e promover, quer a nível nacional quer internacional, estratégias contra o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo, mas o sector bancário ainda está a sentir bloqueio nas negociações internacionais, nomeadamente com contrapartes bancárias.

 

"Ter aparecido o nosso nome na lista cria e criou problemas a nível dos nossos correspondentes [bancários norte-americanos] e aquilo que posso dizer é que, infelizmente para nós, ainda não retomámos alguns correspondentes que tínhamos e que cortaram connosco a nível de Angola", afirmou, em conferência de imprensa, Fernando Teles.

 

A entrada de Angola na lista do GAFI, que "é uma espécie de 'lista cinzenta'", sinaliza que "não estávamos a cumprir com todas as regras". Agora, a saída dessa lista deve-se à implementação pelo BNA, Banco Nacional de Angola, das recomendações que constam do Plano Director do GAFI, mas, "para retomar a situação anterior, não vai ser fácil".

 

"Normalmente, depois, as entidades ficam em 'quarentena'. Estamos no período em que estão a amadurecer se nos devem ou não deixar voltar a ter correspondentes [bancários] americanos", explicou Fernando Teles.

 

Em Fevereiro, o Banco Nacional de Angola (BNA) anunciou em comunicado que o país saiu da lista, assegurando o "cumprimento escrupuloso das regras de compliance" internacional.

 

Este regresso à normalidade poderia aliviar as graves dificuldades dos bancos angolanos no acesso a divisas (dólares) no mercado internacional. "A implementação pelo BNA das recomendações que constam do Plano Director do Grupo de Acção Financeira Internacional  ditou progressos significativos do país", referiu o banco central.

Ver comentários
Saber mais Angola Grupo de Acção Financeira Internacional Fernando Teles BNA Banco Nacional de Angola Plano Director do GAFI Plano Director do Grupo de Acção Financeira banca
Outras Notícias