Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Carlos Costa diz que deixou CGD em Espanha a dar lucro

O governador do Banco de Portugal reage a uma notícia da revista Sábado, que coloca Carlos Costa no início do processo de expansão da CGD em Espanha que viria a custar mais de 800 milhões em perdas ao banco.

Bruno Simão/Negócios
Paulo Zacarias Gomes paulozgomes@negocios.pt 21 de Julho de 2016 às 12:11
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...

O governador do Banco de Portugal defende que o Banco Caixa Geral – BCG, instituído em Espanha pela Caixa Geral de Depósitos no seguimento da aquisição do Banco Simeón - deu lucros em 2006 depois da reestruturação que o próprio responsável conduziu. E argumenta que deixou o cargo de presidente não executivo do BCG em Setembro desse ano, depois de ter sido nomeado vice-presidente do Banco Europeu de Investimento.

A reacção de Carlos Costa, em comunicado enviado pelo Banco de Portugal às redacções, surge depois de esta quinta-feira, 21 de Julho, a revista Sábado avançar que a presença da Caixa em Espanha custou pelo menos 800 milhões de euros em perdas e que o "grande salto" no país vizinho foi dado quando o actual governador era administrador para a área internacional da CGD sob a liderança de Faria de Oliveira, actual presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB).


"Com a reestruturação, o Banco Caixa Geral registou em 2006 resultados positivos ao contrário dos anos anteriores, como se pode verificar no relatório do exercício que é público", afirma-se no documento. Segundo o relatório e contas do BCG anexo ao comunicado enviado pelo Banco de Portugal, o banco passou de prejuízos de 31,26 milhões de euros em 2005 a resultados positivos de 584 mil euros em 2006. 

A notícia da Sábado refere que a CGD triplicou a actividade em Espanha entre 2005 e 2007, com a transferência de 1,6 mil milhões de euros em créditos de risco do BCG para uma filial espanhola entretanto criada. E que neste período necessitou de aumentos de capital no valor de 296 milhões.


O Simeón, comprado em 1995, foi reestruturado dez anos mais tarde sob a alçada de Carlos Costa e seguindo um plano de negócios feito pela consultora Roland Berger que previa em cinco anos duplicar clientes, triplicar activos sob gestão e dobrar o balanço ("2x3x2", como foi apelidado o plano). Carlos Costa, presidente do BCG até 2006, "acompanha boa parte desta fase de intensa expansão", refere a publicação.

Em apenas três anos, de 2005 a 2007, o banco praticamente triplica o activo. Mas pelo meio mete-se a crise internacional e do imobiliário espanhol. A criação de uma sucursal em 2007 permite registar nesse veículo as perdas resultantes do impacto da crise e evitar as exigências de aumentos de capital por parte do regulador espanhol.

A partir de 2010, com o aumento das dificuldades, a operação em Espanha passa a ter de contar com financiamento da casa-mãe e a entrada da troika obriga à reestruturação das operações internacionais, incluindo a espanhola.


Após os cortes, o BCG só regressaria a lucros em 2014, enquanto a sucursal continua a acumular perdas anuais "próximas de 70 milhões". Este ano, 2016, poderá ser o primeiro em que Espanha não perde dinheiro, tendo em Fevereiro o presidente cessante, José de Matos, garantido que "a situação está completamente ultrapassada e resolvida".  

A venda da operação no país vizinho é agora uma possibilidade, numa altura em que a CGD terá de ser recapitalizada num montante ainda por revelar e aguarda a nomeação de uma nova administração, liderada por António Domingues.

Ver comentários
Saber mais governador do Banco de Portugal Banco Caixa Geral Espanha Banco Simeón Caixa Geral de Depósitos Carlos Costa Banco de Portugal Faria de Oliveira economia negócios e finanças macroeconomia
Outras Notícias