Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CDS defende que nacionalização do Novo Banco "significará sempre o pior dos cenários"

João Almeida recusa a ideia de que nacionalizar o Novo Banco possa ser uma solução séria. "Não há nenhum caso em que a nacionalização possa ser a melhor solução", defendeu o deputado centrista.

Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 24 de Fevereiro de 2016 às 15:49
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

Para o CDS, a nacionalização do Novo Banco "significará sempre o pior dos cenários". O deputado João Almeida defende que a prioridade relativamente à instituição financeira deverá ser a sua venda, de forma a recuperar o dinheiro colocado.

 

A preferência do Governo deve ser, segundo defendeu o deputado centrista, "conseguir criar condições para a venda, para recuperar o dinheiro dos portugueses". A 3 de Agosto de 2014, o Novo Banco foi alvo de uma injecção estatal de 4,9 mil milhões de euros, 3,9 mil milhões dos quais de dinheiro público.

 

Sobre este tema, João Almeida acredita "que é perfeitamente possível vender o banco por um valor que assegure a recuperação daquilo que os contribuintes portugueses [investiram]". Aliás, ressalvou, dizer o contrário pode desvalorizar a instituição financeira, razão pela qual pediu cautela ao Governo, ao PS e aos "partidos que o apoiam" (BE, PCP e PEV) nas declarações sobre o banco. 

 

"Mais importante que tomar a decisão sobre a quem vender o banco, [o importante] é vendê-lo na melhor altura possível", acrescentou João Almeida, rejeitando a ideia de que nacionalizá-lo poderá ser bom. "É impossível que a nacionalização signifique menos custos para os contribuintes", defendeu, porque o dinheiro injectado "fica perdido à partida". "A nacionalização significa sempre o pior dos cenários", adiantou, dizendo que "não há nenhum caso em que a nacionalização possa ser a melhor solução".

 

O PCP apresentou um projecto de resolução em que propõe a manutenção da instituição liderada por Eduardo Stock da Cunha na esfera pública através da nacionalização, argumentando que, na prática, o Estado já é o garante último de todos os custos no Novo Banco. O Governo já disse que está a estudar as "várias soluções", sendo que o PS também quer mais pormenores sobre como concretizar a proposta comunista.

 

Este fim-de-semana, Vítor Bento, antecessor de Eduardo Stock da Cunha, assumiu que a nacionalização deveria ser uma opção a estudar.

Ver comentários
Saber mais CDS Novo Banco João Almeida Governo Eduardo Stock da Cunha
Mais lidas
Outras Notícias