Banca & Finanças Com o fim da revitalização, Espírito Santo Hotéis entra em insolvência

Com o fim da revitalização, Espírito Santo Hotéis entra em insolvência

Está aberta a insolvência da Espírito Santo Hotéis, através da qual a Rioforte controlava os hotéis Tivoli. O plano de insolvência, que pode ser apresentado por credores, será votado em Setembro.
Diogo Cavaleiro 23 de junho de 2015 às 14:19

A Espírito Santo Hotéis, sociedade instrumental através da qual a Rioforte exercia o controlo sobre os Hotéis Tivoli, entrou em insolvência. É o resultado da ausência de acordo entre os seus credores para a recuperação.

 

A sentença de declaração de insolvência da Espírito Santo Hotéis foi proferida a 22 de Junho, ficando responsável pela administração do processo Amadeu Magalhães, que também tinha sido o administrador da revitalização, de acordo com informações publicadas no portal do Ministério da Justiça, o Citius.

 

Para 8 de Setembro ficou marcada a reunião de assembleia de credores que vai apreciar o relatório de insolvência. Em cima da mesa pode ser colocado um plano de insolvência "com vista ao pagamento dos créditos sobre a insolvência, a liquidação da massa e a sua repartição pelos titulares daqueles créditos e pelo devedor". Esse plano pode ser apresenta pelo administrador da insolvência, pelo devedor e também por qualquer credor ou grupo de credores que representem um quinto do total de créditos. 

Montepio é o principal credor

 

De acordo com a lista provisória de créditos, publicada no site do Citius, a Caixa Económica Montepio Geral tem um crédito, em papel comercial da ES Hotéis, no valor de 60 milhões de euros, 51,61% do total de 106 milhões em dívida. A Rioforte, sua accionista única, é a segunda maior credora desta empresa, com um crédito de 33,2 milhões. Da mesma forma, a Rioforte (Portugal) encontra-se nesta lista, com um serviço que não foi pago no valor de pouco mais de mil euros.

 

BPI tinha um crédito num contrato celebrado com a Hotéis Tivoli, sem garantias, de 5 milhões, reconhecido como dívida da ES Hotéis. A Ernst & Young é outro dos nomes que surge na lista de credores da sociedade. 

 

Não houve entendimento entre estes credores para que avançasse a revitalização da companhia. E segue-se, agora, a insolvência da empresa que, na sua maioria, era arrendatária de instalações hoteleiras Tivoli. A partir do momento da decisão, os devedores devem pagar prestações ao administrador da insolvência e não à empresa. Já os credores têm de comunicar directamente ao administrador da insolvência a existência de eventuais garantias reais para os seus créditos - o Montepio, por exemplo, defendia que a sua dívida era garantida, pelo que defendia reter as acções representativas do capital do Tivoli. O que não foi aceite pelo administrador de insolvência. 

A ES Hotéis, apesar de ser a "holding" de controlo da Tivoli, está num processo distinto da cadeia hoteleira. A Tivoli Hotels & Resorts encontra-se em Processo Especial de Revitalização, com vista à recuperação, que passa pela venda aos tailandeses da Minor. "A administração da Tivoli Hotels & Resorts vem clarificar que a actividade deste grupo hoteleiro e os Processos Especiais de Revitalização (PER) em curso decorrem autonomamente face à holding Espírito Santos Hotels", disse a entidade quando foi noticiado que a revitalização da ES Hotéis ficou pelo caminho.

A companhia foi uma das entidades do Grupo Espírito Santo que, após o colapso do banco e a entrada em insolvência de sociedades no Luxemburgo, ficou sob o comando do gestor "herdeiro" da família, Caetano Beirão da Veiga.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI