Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Conselho a Ricciardi: "Numa tempestade não interessa estar a mudar o capitão do navio"

José Manuel Espírito Santo defende que a guerra familiar entre Ricciardi e Salgado "não foi nada benéfica para a família". Quando soube que José Maria Ricciardi estava a discutir com outros ramos da família aconselhou "calma". "Numa tempestade não interessa estar a mudar o capitão do navio", recomendou.

Bruno Simão/Negócios
Maria João Gago mjgago@negocios.pt 16 de Dezembro de 2014 às 18:15
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

O representante do segundo ramo mais importante da família Espírito Santo recomendou calma aos seus primos quando se soube que José Maria Ricciardi estava a tentar afastar Ricardo Salgado da liderança do grupo, em Outubro do ano passado.

 

José Manuel aconselhou: "Vamos com calma, isto de lutas nas famílias é muito mau. Não interessa nada". O antigo gestor do BES diz que foi ouvido. "Penso que teve alguma audiência porque no final se chegou a um acordo. Disse-lhes que numa tempestade não interessa estar a mudar o capitão do navio. Vai chegar-se a bom e depois põe-se o navio a funcionar novamente".

 

O gestor recordou que nos dois anteriores processos de sucessão no GES, em 1975 e 1991, "tudo se passou com grande civismo. Este bruaá não foi nada benéfico para a família" constatou.

 

José Manuel revelou não ter sido contactado previamente por Ricciardi sobre a sucessão antecipada de Salgado. "Quando soube, a recomendação que dei foi, 'vamos com calma. Temos que apresentar um processo de sucessão'. Mas a minha recomendação era que tinha que ser feita dentro de casa, sem exteriorização e com calma". E justificou a sua postura: "Tenho toda a confiança na gestão do Dr Ricciardi. Mas a governance não era decidida por nós na família. Temos os accionistas, que tinham que dar a sua decisão final". 

Ver comentários
Saber mais José Maria Ricciardi Ricardo Salgado José Manuel Espírito Santo
Mais lidas
Outras Notícias