Banca & Finanças Contas da Espírito Santo International apresentam "irregularidades relevantes"

Contas da Espírito Santo International apresentam "irregularidades relevantes"

A auditoria do Banco de Portugal ao Espírito Santo International "identificou irregularidades nas contas" da "holding" de controlo do Grupo Espírito Santo, que apresenta "uma situação financeira grave". O BES admite que pode incorrer num risco reputacional devido à situação da ESI, "apesar de não ser responsável" pelas fragilidades.
Contas da Espírito Santo International apresentam "irregularidades relevantes"
Bruno Simão/Negócios
Maria João Gago 20 de maio de 2014 às 21:34

A auditoria que o Banco de Portugal pediu à Espírito Santo International, "holding" de controlo do GES, "apurou irregularidades nas suas contas e concluiu que a sociedade apresenta uma situação financeira grave", revela o prospecto do aumento de capital do Banco Espírito Santo, publicado esta terça-feira, 20 de Maio, no site da Comissão do mercado de Valores Mobiliários.

 

Além da auditoria realizada por auditor externo a pedido do supervisor, a comissão de auditoria do Espírito Santo Financial Group (ESFG), estrutura de topo do braço financeiro do GES, detectou "irregularidades materialmente relevantes nas contas da ESI".

 

No documento, o BES avisa que "um agravamento da situação financeira [daquela ‘holding’] bem como as irregularidades detectadas nas suas contas e eventuais consequências daí resultantes, podem afectar a reputação do BES e a cotação das suas acções". Um efeito de contágio que, receia o banco, pode resultar do facto de"alguns dos anteriores membros do conselho de administração da ESI são administradores do ESFG e do BES".

 

No entanto, o banco sublinha que "não é responsável pela situação financeira da ESI e que o ESFG implementou medidas para salvaguardar eventuais situações de incumprimento por parte da ESI que possam ter impacto no BES". Em causa está a provisão de 700 milhões contabilizada pelo ESFG no final de 2013 e que se destina a fazer face ao risco da exposição do BES à Espírito Santo International, designadamente através do papel comercial emitido por esta "holding" e que foi colocado junto de clientes de retalho do banco.

 

Papel comercial do retalho ascende a 395 milhões

 

A 19 de Maio, o valor do papel comercial da ESI colocado junto de clientes de retalho do BES era de 395 milhões de euros, cerca de um quarto dos 1.565 milhões colocados junto deste tipo de investidores no final do ano passado e menos 121 milhões do que o valor de 30 de Abril.

 

Já os investidores institucionais têm ainda títulos de dívida da Espírito Santo International de 564 milhões de euros, pouco mais de um terço dos 1.470 milhões detidos no final do ano passado.

 

(Notícia actualizada às 21h48)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI