Banca & Finanças Contrato de venda do Efisa já foi assinado

Contrato de venda do Efisa já foi assinado

A Parparticipadas e a Pivot, ligada aos britânicos da Aethel, já assinaram o contrato de compra do Efisa. Nas mãos do novo accionista, que pagará 38 milhões, está a internacionalização, uma das apostas do antigo banco do BPN.
Contrato de venda do Efisa já foi assinado
Correio da Manhã
Maria João Gago 05 de outubro de 2015 às 18:49

O contrato de compra e venda do Banco Efisa, antigo banco de investimento do BPN, já foi assinado entre a Pivot SGPS, sociedade de investidores portugueses e angolanos, e a Parparticipadas. A concretização final do negócio está agora dependente da não oposição do Banco Central Europeu (BCE).

 

A assinatura do contrato é revelada em comunicado da Aethel Partners, assessor financeiro da Pivot SGPS e que tem accionistas comuns com a sociedade que acordou a compra do Efisa, banco fundado por Abdool Vakil (na foto). Pouco mais de uma hora mais tarde, também a Parparticipadas confirmou o negócio e o valor de venda de 38,27 milhões de euros.

"A venda será efectuada à Pivot SGPS sendo o preço global de referência acordado para o negócio de 38,27 milhões de euros. A conclusão do negócio está dependente da obtenção das autorizações legais aplicáveis. Com esta transacção, dá-se continuidade ao processo de venda das participações sociais que foram transferidas do Banco Português de Negócios para o Estado em Fevereiro de 2012", adianta o veículo do Estado que ficou com as sociedades satélite do antigo BPN.

Já o comprador da instituição definiu a expansão internacional como aposta estratégica para o Efisa. "A Pivot SGPS irá avançar com uma série de iniciativas com vista à internacionalização do Banco Efisa para mercados estratégicos, as quais terão por base as melhores práticas de gestão e governance", afirma Ricardo Santos Silva, co-fundador da Aethel Partners e accionista da Pivot, citado no comunicado divulgado esta segunda-feira, 5 de Outubro. Na mira do futuro dono do banco estão mercados como Angola, Moçambique, Brasil e América Latina.

 

A assinatura do acordo de compra e venda estava dependente da autorização do Ministério das Finanças, pelo que o anúncio da sua assinatura pressupõe que esta autorização tenha sido concedida ainda antes das eleições legislativas.

 

Além de Santos Silva e de Aba Schubert, também co-fundadora da Aethel, a Pivot SGPS conta ainda com outros accionistas, entre os quais investidores angolanos e portugueses, como Mário Palhares, antigo vice-governador do Banco Nacional de Angola, e António Bernardo.

 

"Congratulamo-nos pela tomada deste passo importante para o futuro do Banco Efisa e estamos ansiosos por começar a trabalhar no sentido de tornar o banco numa instituição de referência nos mercados em que irá operar", sublinhou ainda Ricardo Santos Silva, citado no mesmo comunicado.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI