Banca & Finanças Félix Morgado: "Montepio não precisará de mais capital até final de 2017"

Félix Morgado: "Montepio não precisará de mais capital até final de 2017"

"[As pessoas] podem estar descansadas, olhos nos olhos," afirmou o presidente da Caixa Económica Montepio Geral, em entrevista esta segunda-feira à TVI.
Félix Morgado: "Montepio não precisará de mais capital até final de 2017"
Pedro Elias
Paulo Zacarias Gomes 20 de março de 2017 às 23:22

O presidente da Caixa Económica Montepio Geral garante que as medidas levadas a cabo no último ano e meio para reforçar a solidez da instituição afastam a necessidade de mais capital ou liquidez e que o banco tem cumprido os requisitos definidos.

"Não precisa de mais capital até ao fim de 2017, que é o ano em curso," disse Félix Morgado esta segunda-feira, 20 de Março, em entrevista no Jornal das 8 da TVI, argumentando que a instituição já "reforçou a sua base de capital e liquidez."

O líder do banco defendeu o percurso que tem vindo a ser seguido desde Agosto de 2015, quando se iniciou o plano estratégico de recuperação e o entendimento do Banco de Portugal de que, a concretizar-se, esse plano "reforça a sustentabilidade do Montepio".

Questionado sobre se os clientes podem estar tranquilos com a situação da instituição financeira, o responsável garantiu: "[As pessoas] podem estar descansadas. Olhos nos olhos."

Félix Morgado referiu-se ainda à notícia desta segunda-feira do Jornal de Negócios, que dá conta da acusação de irregularidades graves feita pelo Banco de Portugal a nove gestores, entre os quais o antigo presidente do banco, Tomás Correia, e actual presidente da Associação Mutualista que detém a instituição financeira.

Em causa, o financiamento pelo Montepio ao grupo Espírito Santo numa altura em que este já apresentava notórias dificuldades financeiras. "O conselho actual iniciou mandato em Setembro de 2015 e estes factos são reportados a 2014. Em qualquer dos casos, não conhecendo os factos, o Montepio, a Caixa Económica sempre procurou fazer o esforço de cumprir os requisitos que são definidos," afirmou.

Já sobre as declarações de Tomás Correia, que esta segunda-feira admitiu a possibilidade de se demitir "se alguma vez se colocar a possibilidade de transitar em julgado algo a meu desfavor".

"Essa é a atitude certa," considerou Félix Morgado.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI