Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo paga 725 mil euros para avaliar venda do Novo Banco

Além das assessorias jurídica e financeira, a venda do Novo Banco teve mais um encargo: o Ministério das Finanças contratou a Oliver Wyman para avaliar as propostas pelo banco no segundo processo de alienação.

Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 03 de Janeiro de 2018 às 13:23
  • Assine já 1€/1 mês
  • 12
  • ...

O Governo contratou a Oliver Wyman para avaliar as propostas de venda pelo Novo Banco. O contrato foi tornado público esta terça-feira, 2 de Janeiro de 2018, mas foi assinado em Abril de 2017. No entanto, produz efeitos a 1 de Julho de 2016.

 

A secretaria-geral do Ministério das Finanças contratou a consultora especializada para "a avaliação e comparação das propostas apresentadas pelos diversos participantes no âmbito do processo de venda da participação detida pelo Fundo de Resolução no Novo Banco", segundo a publicação no portal Base.

 

O valor do contrato, noticiado inicialmente pelo Dinheiro Vivo, é de 725 mil euros, montante acrescido de IVA. A aquisição dos serviços foi feita por ajuste directo, justificado com a "ausência de recursos próprios".

 

A data de assinatura do contrato é 6 de Abril de 2017. Dias depois de o primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno, terem anunciado o vencedor do processo de venda, a Lone Star, numa conferência de imprensa. A 31 de Março, foi revelado que o fundo americano ficaria com 75% do capital do Novo Banco, sendo que 25% permaneceria no Fundo de Resolução, que funciona junto do Banco de Portugal mas cuja direcção conta com membros nomeados pelo Ministério das Finanças.

 

Ou seja, o contrato, que foi assinado depois de já escolhido o vencedor, "produz efeitos a 1 de Julho de 2016". Foi nesse mês que António Ramalho foi escolhido para suceder a Eduardo Stock da Cunha na liderança da instituição financeira. O segundo procedimento de venda do Novo Banco, após o cancelamento do primeiro em Setembro de 2015, teve lugar no arranque de 2016.

 

A aquisição é feita directamente pelo Ministério das Finanças quando foi o Banco de Portugal a contratar as assessorias financeiras e jurídicas para a venda do Novo Banco. Por exemplo, o contrato do Deutsche Bank poderia ascender a 3,5 milhões de euros. O Negócios já pediu ao supervisor os encargos que enfrentou com os dois procedimentos para a alienação do banco herdeiro do BES, mas não obteve resposta até aqui.

 

Neste segundo procedimento de venda do Novo Banco, a Oliver Wyman – que trabalhara em torno do Banif em 2015 – ficou obrigada a sigilo e confidencialidade, sendo que a secretaria-geral assumiu os eventuais riscos a que a entidade viesse a incorrer pela prestação destes serviços. Além disso, assinala o contrato, "todas as decisões relacionadas com a implementação de conselhos e recomendações prestados pela segunda outorgante [Oliver Wyman] são da inteira responsabilidade do primeiro outorgante [secretaria-geral do Ministério das Finanças". A entidade poderia contactar, em nome do gabinete de Mário Centeno, os eventuais candidatos para aferir o seu interesse.


O Negócios aguarda esclarecimentos do Ministério das Finanças sobre este tema. 

Ver comentários
Saber mais Fundo de Resolução no Novo Banco Mário Centeno Oliver Wyman Ministério das Finanças Mário Centeno
Outras Notícias