Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Maria Luís Albuquerque vê “problema de supervisão” mas confia em Carlos Costa

“Há claramente um problema de supervisão, que se manifestou nos vários problemas do sector financeiro”, assume a anterior ministra das Finanças. Sobre o papel do regulador, não se quer comprometer.

Bloomberg
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 21 de Dezembro de 2015 às 21:23
  • Assine já 1€/1 mês
  • 14
  • ...

Maria Luís Albuquerque acredita existir, em Portugal, um problema de supervisão na banca. Mas continua a confiar no governador da entidade que assegura essa supervisão, o Banco de Portugal.

 

"Há claramente um problema de supervisão, que se manifestou nos vários problemas do sector financeiro", comentou a ex-ministra das Finanças em entrevista à TVI, um dia depois de decidida a resolução do Banif.

 

Contudo, apesar disso, não vê problemas na liderança do Banco de Portugal que é, no país, o supervisor e regulador do sector financeiro e também a autoridade de resolução.

 

Maria Luís Albuquerque acrescentou que mantém a confiança no governador que reconduziu na primeira metade do ano. "Não tenho razão nenhuma para retirar confiança ao governador do Banco de Portugal".

 

No entanto, a deputada social-democrata defende que não tem informações para "poder fazer uma avaliação" do papel de Carlos Costa neste caso. "Não conheço os desenvolvimentos que terão levado a este desfecho. Não quero fazer críticas por fazer, nomeadamente à solução", declarou ainda à TVI.

 

Sobre a medida de resolução aplicada ao Banif, que envolveu 2.255 milhões de euros estatais depois de deduzidos dos 150 milhões pagos pelo Santander Totta na aquisição, a antecessora de Mário Centeno assegurou que não adiou a venda do banco do Funchal para que a venda do Novo Banco não fosse prejudicada.

 

Nas diferenças entre a resolução do BES e do Banif (ao contrário do Executivo de Passos Coelho, o actual Governo de António Costa assumiu a responsabilidade pela decisão), Maria Luís Albuquerque disse que tal não faz sentido: "a decisão não é deste Governo, como não seria de um outro Governo. É decisão da autoridade da resolução", que é o Banco de Portugal, quando a actividade do banco não está a resultar.

"Não é possível Governo nenhum escolher momentos convenientes para a resolução. Só uma circunstância em que haja falha de capital é que a resolução pode ser posta em prática", reafirmou, dizendo, por isso, não perceber as acusações de Mário Centeno, realçando por outro lado que o seu Governo "fez todas as tentativas" para conseguir aprovar em Bruxelas um plano de reestruturação do Banif e para o vender.

 

Ver comentários
Saber mais Maria Luís Albuquerque Banif Banco de Portugal Carlos Costa banca
Mais lidas
Outras Notícias