Banca & Finanças Moody’s sobe rating dos depósitos do Montepio para quarto nível de "lixo"

Moody’s sobe rating dos depósitos do Montepio para quarto nível de "lixo"

A agência de notação financeira melhorou a classificação atribuída aos depósitos de longo prazo do Banco Montepio.
Moody’s sobe rating dos depósitos do Montepio para quarto nível de "lixo"
Tiago Sousa Dias
Carla Pedro 09 de outubro de 2019 às 19:18

A Moody’s elevou o rating dos depósitos de longo prazo da Caixa Económica Montepio Geral, de B3 para B1 . Quer isto dizer que subiu em dois níveis esta notação, que se mantém contudo num patamar de investimento especulativo, o chamado "lixo". Está agora no quarto nível de "junk".

 

Já o "outlook" (perspetiva) para estes depósitos passou de "em revisão" para "estável".

 

A instituição liderada por Dulce Mota (na foto) refere, em comunicado à CMVM, que "a subida das notações de risco atribuídas pela agência de rating Moody’s reflete a melhoria do ambiente operacional em Portugal, em combinação com o progresso alcançado pelo Banco Montepio no âmbito da redução de risco do seu balanço em resultado da implementação do plano de transformação".

 

A Moody’s mexeu também noutros ratings da instituição, no âmbito da sua revisão anual das notações de risco do Banco Montepio, tendo sido revistas também em alta a avaliação de base de risco de crédito ajustada, que subiu para b3 de caa1 (ou seja, do sétimo para o sexto nível de lixo).

 

Também a avaliação de base de risco de crédito subiu para b3 de caa1.

 

Já a avaliação de risco de contraparte de longo prazo subiu para Ba3(cr) de B1(cr), tendo a classificação desse mesmo risco melhorado de B1 para Ba3 (do quarto para o terceiro nível da categoria de investimento especulativo.

A decisão, refere a Moody’s no seu relatório, "reflete o melhor contexto operacional em Portugal, conjugado com os progressos do Banco Montepio no que diz respeito à retirada de risco do seu balanço, em resultado do seu plano de transformação para 2018-2021".

Por outro lado, na sequência da entrada em vigor da lei de março passado relativa à preferência atribuída a todos os depositantes em relação aos detentores de dívida sénior em processos de insolvência e resolução de bancos, a Moody’s reviu em baixa a notação de risco atribuída às obrigações sénior não garantidas, para (P)Caa1 de (P)B3.

 

"Mais se informa que foi atribuído um novo rating, de (P)Caa1, à dívida sénior não preferencial a emitir ao abrigo do programa de Euro Medium Term Note (EMTN) que deverá ser aprovado pela Commission de Surveillance du Secteur Financier (CSSF) nas próximas semanas", diz o comunicado do banco.

 

A dívida sénior não preferencial constitui uma nova classe de dívida situada entre a dívida sénior preferencial (senior unsecured debt) e a dívida subordinada (subordinated debt), introduzida no normativo jurídico português com a publicação da referida lei de março passado.

(notícia atualizada às 20:09)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI