Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

O que disse António Varela na quarta audição da comissão de inquérito ao Banif

Ex-administrador do Banif. Ex-administrador do Banco de Portugal. António Varela tinha muito a dizer sobre o caso e esteve durante quase seis horas a falar aos deputados. 

Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 01 de Abril de 2016 às 00:02
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

O ano 2013 começou com o Estado a colocar 1,1 mil milhões de euros no Banif. Liquidá-lo ou avançar para outra alternativa custaria mais ao Estado português do que aquilo que custou, em 2015, aplicar uma medida de resolução, segundo António Varela.

 

Varela, que entrou para o Banif como administrador não executivo em 2013 (para acompanhar a injecção de 1,1 mil milhões de euros públicos), diz que, até ao ano anterior, o banco era "muito, muito mau".

 

Um dos aspectos do passado do banco são as várias operações cruzadas entre o grupo à volta do Banif e o congénere em torno do BES. "Uma maneria de enganar o regulador".

 

Nos anos seguintes, o banco continuou a ter uma forte pressão sobre si, acabando por ser alvo de uma medida de resolução. António Varela considera que o Banif caiu por conta da acção da Direcção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia mas também do Banco Central Europeu.

 

No caso do BCE, dois dos seus órgãos – o conselho de governadores e o conselho de supervisão – acabaram por tomar duas decisões que, juntas, não se coadunavam e que levaram à queda do banco.

 

Outro dos culpados pela queda do banco é o investimento no Brasil. Aliás, Varela acredita que todo o dinheiro colocado na instituição financeira sediada em São Paulo se perdeu

 

Isto sem esquecer a "notícia criminosa da TVI".

 

Três meses depois da resolução determinada a 20 de Dezembro de 2015, o depósito que Varela tinha no Banif continua congelado por ter sido administrador do banco nos últimos anos de vida da instituição.

 

Mas, nas suas declarações na comissão de inquérito, o gestor afirmou que o Totta já queria a "parte boa" do Banif no Verão de 2015. Acabou por comprá-la meio ano depois.

 

Enquanto isso, Maria Luís Albuquerque também queria mudar a gestão do Banif, para tornar mais fácil o diálogo com Bruxelas. Não conseguiu. Quatro pessoas – que não foram identificadas até aqui – recusaram.

 

António Varela acabou a primeira semana de audições da comissão de inquérito após Joaquim Marques dos Santos, Jorge Tomé e Luís Amado. Nas próximas semanas, os reguladores e as auditoras são os convidados para prestar esclarecimentos aos deputados

 

Ver comentários
Saber mais António Varela Banif Concorrência da Comissão Europeia Banco Central Europeu BCE São Paulo Totta Jorge Tomé Maria Luís Albuquerque Joaquim Marques dos Santos
Outras Notícias