Banca & Finanças Oferta de 14 milhões a Salgado explicada com “espírito de solidariedade e entreajuda”

Oferta de 14 milhões a Salgado explicada com “espírito de solidariedade e entreajuda”

O Banco de Portugal recebeu dois pareceres de juristas da Faculdade de Direito de Coimbra para justificar a oferta do construtor José Guilherme, avança o jornal i.
Oferta de 14 milhões a Salgado explicada com “espírito de solidariedade e entreajuda”
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 03 de dezembro de 2014 às 09:07

A oferta de 14 milhões de euros do empresário José Guilherme a Ricardo Salgado foi justificada com o "bom princípio geral de uma sociedade que quer ser uma comunidade – comum unidade – com espírito de entreajuda e solidariedade".

 

O jornal i cita esta quarta-feira a explicação, que está num parecer do jurista João Calvão Silva, especialista  em direito bancário, no parecer sobre a idoneidade do ex-presidente do BES, que foi entregue ao Banco de Portugal.

 

Também Pedro Maia, professor da Universidade de Coimbra (que desmentiu o Governador do Banco de Portugal quando este o citou) disse que "não se vislumbra, se quer em abstracto, em que medida ou de que forma a aceitação de uma liberalidade no âmbito de uma relação pessoal poderia valer, prospectivamente , como factor que aumentasse o risco ou tornasse até provável que a pessoa não irá no futuro efectuar uma gestão sã e prudente do banco".  

 

Recorde-se que esta questão levou a um desacordo no Conselho Superior entre Salgado e outros membros da família e acabou por ser um dos factores que colocou o ex-CEO do BES na mira do Ministério Público. 




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI