Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Particulares com dívida sénior do Novo Banco também querem negociar solução

A associação que junta 100 investidores não qualificados afectados pela troca de dívida do Novo Banco congratula-se com soluções para vários tipos de lesados mas lembra que, na hierarquia de credores, são os mais bem classificados e são os que mais podem ser penalizados.

Bruno Simão/Negócios
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

Os particulares afectados pela decisão do Banco de Portugal de transferir dívida sénior do Novo Banco para o BES "mau" querem negociar uma solução, à semelhança do que está a ocorrer com os investidores em papel comercial do BES e com os emigrantes.

 

"É com satisfação e esperança que lemos as notícias que indicam que vários grupos de lesados do BES estão a negociar com o Banco de Portugal, Governo e outras entidades, no sentido de se encontrar uma solução que permita a recuperação dos seus investimentos feitos em papel comercial e outros produtos do BES/GES", indica o comunicado enviado às redacções pela Associação de Obrigacionistas Sénior Particulares Lesados do Novo Banco – AOSPNB.

 

Contudo, os particulares com dívida sénior do Novo Banco também queriam o mesmo tratamento: "Embora fiquemos contentes por esses nossos compatriotas poderem vir a receber de volta (seja em parte, seja na totalidade) as suas poupanças, o facto de sermos esquecidos nestas negociações vem exacerbar ainda mais a violentíssima discriminação de que fomos alvo". "O nosso desejo é que seja encontrada uma solução equilibrada, justa, em tempo útil e que proteja os mais desfavorecidos neste cenário: os aforradores particulares", defende o comunicado. Ruy Ribeiro, da associação, já tinha apelado à intervenção de António Costa.

 

Aliás, um dos argumentos da AOSPNB é o a dívida sénior ter uma classificação mais alta que outros investimentos na hierarquia de credores. "Pode dar-se o caso surreal e chocante dos únicos que perdem a totalidade dos seus investimentos serem os que por lei e pelo ‘ranking’ de credores têm prioridade sobre todos os outros, ou seja, os obrigacionistas sénior", assinala o comunicado, sublinhando ainda a possibilidade de os restantes investidores poderem receber, nas respectivas soluções, obrigações seniores do Novo Banco, o produto que detinham. "No mínimo, uma situação completamente absurda e injusta", conclui a associação que representa 100 investidores com 17,5 milhões de euros em obrigações nas mãos.

 

Foi a 29 de Dezembro de 2015 que o Banco de Portugal determinou que cinco séries de dívida sénior do Novo Banco passavam para o BES, libertando da instituição financeira presidida por Eduardo Stock da Cunha da responsabilidade de pagar 1.985 milhões de euros. A justificação dada pelo Banco de Portugal para escolher aquelas cinco séries – em vez de pegar em todas as 52 linhas – era a de que tinham sido dirigidas exclusivamente a investidores institucionais, visto como qualificados. Contudo, alguns bancos também tinham colocado estes títulos em clientes não qualificados.  

 

O comunicado da AOSPNB é divulgado um dia depois de a associação que representa investidores com papel comercial da ESI e Rioforte vendido no BES ter revelado um atraso na procura por uma solução no âmbito da negociação entre reguladores, BES "mau" e Governo - apesar disso, as reuniões prosseguem. Os emigrantes que têm acções preferenciais de veículos com obrigações do Novo Banco também se têm reunido com Diogo Lacerda Machado, o amigo de Costa que tem servido de mediador nas negociações. 

Além da negociação, a troca de dívida tem estado a ser discutida em tribunal, com grandes investidores - como a Pimco e a BlackRock, as principais afectadas - a contestarem a decisão do regulador. 

Ver comentários
Saber mais Banco de Portugal Novo Banco BES Associação de Obrigacionistas Sénior Particulares Lesados do Novo Banco Eduardo Stock da Cunha Diogo Lacerda Machado
Mais lidas
Outras Notícias