Banca & Finanças Passos Coelho: Governo não vai intervir junto dos reguladores no papel comercial do GES

Passos Coelho: Governo não vai intervir junto dos reguladores no papel comercial do GES

"Não cabe ao Estado resolver", sublinhou o primeiro-ministro, que considera que o colapso do GES vai ter um "impacto negativo na economia portuguesa". A responsabilidade pela supervisão e reembolso do papel comercial do GES gerou recentemente uma troca de acusações entre o Banco de Portugal e a CMVM.
Passos Coelho: Governo não vai intervir junto dos reguladores no papel comercial do GES
Miguel Baltazar
André Cabrita-Mendes 27 de fevereiro de 2015 às 13:23

O primeiro-ministro considera que cabe aos reguladores portugueses, e não ao Governo, determinar a resolução de situações relacionadas com o papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES).

 

Esta "matéria muito delicada" está a ser actualmente avaliada pelos reguladores, tanto a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) como o Banco de Portugal (BdP), lembrou Passos Coelho esta sexta-feira, 27 de Fevereiro.

 

E "o Governo não vai evidentemente interferir no trabalho que os reguladores devem fazer nessa matéria. Nessa medida, eu não vou estar a prever o que cabe aos reguladores determinar", afirmou. 

 

Lembrou que o Banco de Portugal (BdP) deu "indicações ao Novo Banco para encontrar soluções que permitam às pessoas serem ressarcidas", mas que "nem todos tiveram já uma solução" e que, agora, está a ser encontrada uma solução para "essa situação".

 

"Não podemos intervir em processos de grupos privados. Não cabe ao Estado resolver. O Estado só resolveria ao socializar os prejuízos privados", afirmou Passos Coelho, reforçando a dizer que o BES não foi nacionalizado porque seriam os contribuintes a pagar a factura.

 

O primeiro-ministro considera que o colapso do Grupo Espírito Santo (GES) vai ter um impacto negativo na economia portuguesa". Impacto esse que vai afectar pequenos e grandes aforradores, assim como empresas, que investiram em produtos financeiros do GES garantidos pelo BES.

 

Banco de Portugal e CMVM trocam acusações

 

A responsabilidade pela supervisão e reembolso do papel comercial do Grupo Espírito Santo gerou recentemente uma troca de acusações entre o Banco de Portugal e a CMVM.

 

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, começou por dizer a 19 de Fevereiro que os "títulos de dívida" do GES "constituem inequivocamente instrumentos financeiros cuja supervisão compete à CMVM".

 

A CMVM respondeu no próprio dia, ao dizer que "não autorizou - nem podia autorizar ou proibir - qualquer das emissões de papel comercial do GES comercializadas por entidades do BES".

 

O regulador de bolsa também apontou que tanto o Banco de Portugal como o Novo Banco criaram expectativas de reembolso aos subscritores de papel comercial. Por isso mesmo, o Novo Banco deve indemnizar os investidores que compraram dívida de curto prazo do BES.

 

Mais tarde, o presidente da CMVM voltou a abordar novamente a questão. Carlos Tavares disse então que a questão do reembolso do papel comercial do GES "é uma questão de respeito pelas pessoas que aplicaram as suas poupanças em instrumentos, muitas vezes em condições deficientes".




pub

Marketing Automation certified by E-GOI