Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Paz Ferreira: Recapitalização da CGD em 2016 foi feita "muito acima das necessidades"

Eduardo Paz Ferreira, ex-presidente da comissão de auditoria da Caixa Geral de Depósitos (CGD), afirma que a recapitalização do banco "acima das necessidades" tinha como objetivo colocar a entidade no caminho dos lucros.

Lusa
Rita Atalaia ritaatalaia@negocios.pt 03 de Abril de 2019 às 19:41
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Eduardo Paz Ferreira, ex-presidente da comissão de auditoria da Caixa Geral de Depósitos (CGD), considera que o valor da recapitalização do banco estatal, em 2016, ficou "acima das necessidades" de maneira a permitir que a entidade apresentasse lucros.

"A recapitalização de 2016 foi feita muito acima das necessidades", disse Eduardo Paz Ferreira aos deputados na comissão parlamentar de inquérito à gestão da CGD. Uma iniciativa criada depois de a EY ter realizado uma auditoria à gestão da Caixa entre 2000 e 2015 que revelou que foram concedidos créditos mesmo perante o parecer desfavorável da Direção de Risco do banco. 

O antigo responsável pela comissão de auditoria explicou que "a opção do Governo foi criar condições para ter uma situação boa, para que se permitisse apresentar lucros".


Quanto às imparidades da CGD, estas "estariam muito longe dos cinco mil milhões de euros" que rondaram a recapitalização do banco estatal. 

Ainda assim, Paz Ferreira notou que a Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia "fez exigências manifestamente excessivas ao Estado português". Isto de maneira a que a recapitalização da Caixa não fosse considerada ajuda estatal. 

Na mesma audição, o responsável deixou ainda críticas à EY, considerando que o relatório elaborado foi "insuficiente e descuidado". Referiu ainda que o documento "não favorece a constituição dos factos, incorrendo em contradição grave sobre a atuação dos órgãos de fiscalização". 

No relatório da EY, a auditora conclui que houve "falta de efetividade da ação do órgão de fiscalização no período". Já Paz Ferreira garante que esta nunca contactou qualquer órgão de fiscalização. E, "se queria uma auditoria sólida, devia ter conversado".

Ver comentários
Saber mais banca CGD auditoria comissão de inquérito EY
Outras Notícias