Banca & Finanças Petróleos de Venezuela troca BES pelo China Citic Bank

Petróleos de Venezuela troca BES pelo China Citic Bank

A empresa estatal passa a utilizar a instituição financeira chinesa para receber o dinheiro proveniente da venda de petróleo e combustíveis. Até ao resgate, essas transacções eram feitas através do BES, diz a Reuters.
Petróleos de Venezuela troca BES pelo China Citic Bank
Bloomberg
Paulo Moutinho 10 de agosto de 2014 às 16:27

A PDVSA, Petróleos de Venezuela, uma das credoras do braço não financeiro da família Espírito Santo, deixou de contar com o BES para receber o dinheiro proveniente da venda de petróleo e combustíveis. Segundo a Reuters, estas operações realizadas pela empresa estatal venezuelana passam agora pelo China Citic Bank.

 

Citando um documento emitido pela PDVSA para os seus clientes, a agência noticiosa norte-americana revela que a companhia estatal começou a colaborar com o China Citic Bank para ser paga pelos fornecimentos de petróleo, mas também de outros derivados. Abandonou o BES.

 

Antes do banco português ter sido resgatado, depois de revelar perdas superiores ao estimado fruto da exposição a empresas do Grupo Espírito Santo, todos os pagamentos de clientes da PDVSA eram feitos através das suas contas no BES, revela a Reuters. Ao passarem para o banco chinês, a Venezuela pretende também aumentar as exportações para a China.

 

Além do BES, a Petróleos de Venezuela está também associada ao braço não financeiro da família Espírito Santo. É uma das várias empresas credoras da Rioforte, a ESI e a ESFG, instituições que entretanto solicitaram a protecção de credores de forma a avançarem com a "reorganização" e a "boa realização dos activos".




pub

Marketing Automation certified by E-GOI