Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Presidente do Barclays vai abandonar o cargo na sequência de escândalo das taxas de juro

O presidente do Barclays Bank, Marcus Angius, vai abandonar o cargo, depois de a instituição bancária ter sido multada por manipulação da taxa de empréstimo interbancário, noticiou hoje a BBC.

Lusa 01 de Julho de 2012 às 01:27
  • Partilhar artigo
  • 6
  • ...
Angius, o presidente ("chairman") do banco britânico, vai comunicar na segunda-feira que abandona o cargo, depois das notícias divulgadas desde quarta-feira passada, que envolvem o Barclays num processo de manipulação de taxas de juro Libor e Euribor, de acordo com a estação pública de televisão do Reino Unido e o diário The Guardian, citados pelas agências AFP e AP.

O Governo britânico, através do secretário das Finanças, Vince Cable, tinha requerido uma investigação criminal aos banqueiros envolvidos no escândalo, que custou ao banco uma multa de 290 milhões de libras (cerca de 362 milhões de euros), entre os quais se destaca o presidente executivo, Bob Diamond.

Os responsáveis do banco são suspeitos de terem manipulado a seu favor as taxas Libor e Euribor - as taxas que indicam os juros aos quais os bancos emprestam dinheiro entre si, servindo também de referência para contratos nos mercados de derivados em todo o mundo, assim como para empréstimos empresariais.

O escândalo acentuou-se hoje depois de o Royal Bank of Scotland (RBS) ter comunicado o despedimento de quatro funcionários por alegado envolvimento no caso, suspeitando-se que se tratava de uma prática generalizada.

Na quarta-feira, o Barclays comunicou que tinha sido multado em 290 milhões de libras, no termo de um inquérito à suspeita de manipulação de taxas de juro interbancárias Libor e Euribor, por diferentes bancos.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro David Cameron reiterou a intenção de se encontrar com o chefe executivo Bob Diamond e com outros responsáveis do banco, a fim de os ouvir.

"Penso que ele e toda a equipa de gestão têm questões sérias para responder", acrescentou o primeiro-ministro.

"Quantas pessoas estavam envolvidas nesta actividade, quem eram, quem os mandava, perante quem respondiam e até que ponto os responsáveis do banco sabiam o que se estava a passar", acrescentou Cameron.

O escândalo é um novo golpe para o sector bancário britânico depois dos resgates financeiros pagos pelos contribuintes.

O primeiro-ministro britânico prometeu igualmente não permitir que possíveis multas pagas pelo banco acabem por ser usadas para reduzir a factura da instituição bancária no imposto anual.

"O mau comportamento do Barclays foi grave, ocorreu de forma repetida e prolongou-se ao longo de vários anos", afirmou, em comunicado, Tracey McDermott, responsável da Autoridade de Serviços Financeiros do Reino Unido (FSA, na sigla inglesa).

"A integridade das taxas de referência Libor e Euribor é de importância fundamental para o Reino Unido e para os mercados financeiros internacionais", acrescentou McDermott.

De acordo com as investigações, o banco terá manipulado as taxas de juro entre 2005 e 2009, reportando valores mais baixos do que aqueles que pagavam.

Ver comentários
Saber mais Barclays
Outras Notícias