Banca & Finanças Procura no aumento de capital do BES supera oferta em 79%

Procura no aumento de capital do BES supera oferta em 79%

BES confirmou que o aumento de capital de 1.045 milhões de euros foi totalmente subscrito, com os pedidos suplementares de acções a superarem mais de mil milhões de títulos.
Procura no aumento de capital do BES supera oferta em 79%
Miguel Baltazar/Negócios

O aumento de capital de 1.045 milhões de euros do Banco Espírito Santo foi totalmente subscrito, com a procura de acções a superar a oferta disponível em 79%, confirmou esta quarta-feira o banco liderado por Ricardo Salgado.

 

Em comunicado o BES adianta que no exercício de direitos de preferência na subscrição foram subscritas 1.598.143.842 acções, representativas de 99,45% do total de acções a emitir.

 

As restantes 8.889.370 acções foram atribuídas em resultado de pedidos suplementares de acções, sendo que estes pedidos suplementares totalizaram 1.269.595.458 acções.

 

Desta forma, a procura no aumento de capital totalizou 2.876.628.670 acções, o que se situa 79% acima das 1.607.033.212 disponíveis na oferta.

 

O Negócios já tinha noticiado hoje, citando fonte do sindicato bancário, que a procura por novas acções "superou largamente" a oferta disponível

 

O interesse dos investidores, sobretudo institucionais, permitiu levantar no mercado o valor total da operação, 1.045 milhões de euros, evitando accionar a tomada firme que tinha sido contratada junto de diversos bancos de investimento internacionais para garantir o sucesso da oferta. Pela primeira vez desde a privatização do BES, os accionistas de referência do banco não garantiram a sua participação na operação.

 

Ao que o Negócios apurou, além do Espírito Santo Financial Group e do grupo francês, que reduziram as suas posições de 27,4% para 25% e de 20,12% para menos de 15%, respectivamente, também o banco Bradesco terá diluído a sua participação. Antes do aumento de capital o grupo brasileiro tinha 4,8% do BES, posição que terá diminuído apesar de o Bradesco ter participado na operação.

 

Entre o núcleo duro de investidores, apenas a Portugal Telecom terá acompanhado na íntegra o reforço de capitais. Assim, o grupo de telecomunicações, em processo de fusão com a brasileira Oi, terá mantido uma participação de 2,1% no banco. A decisão da empresa não terá sido alheia ao facto de o BES ter participado no recente aumento de capital da empresa brasileira, investindo 75 milhões de euros.

 

A redução do peso dos três maiores accionistas no capital do banco foi compensada com um reforço do peso dos investidores institucionais, que antes da operação controlavam cerca de 37% do capital. De acordo com fonte do sindicato bancário, os fundos de investimento, bancos e seguradoras terão aumentado a sua influência na estrutura accionista para perto de 50%.

 

Alguns dos gestores de fundos que antes da operação tinham participações qualificadas - BlackRock (5,12%), Silchester (4,93%) e Capital Research (3,07%) - terão reforçado posições, enquanto outras sociedades de gestão de activos terão aproveitado a oferta para entrar no título.

 

 
Cronologia: Os dias de turbulência
Nunca um aumento de capital do BES foi feito em ambiente de tanta turbulência no Grupo. Em plena operação, a Procuradoria do Luxemburgo confirmou a abertura de um inquérito

20.05.2014

O risco anunciado

Com a divulgação do prospecto do aumento de capital, o BES anuncia que corre um risco reputacional por terem sido detectadas "irregularidades materialmente relevantes" na Espírito Santo International que, por causa disso, apresenta uma "situação financeira grave".

 

22.05.2014

Salgado e a sua saída

Ricardo Salgado revela, em entrevista ao Negócios, que entre as irregularidades identificadas na ES International está a não contabilização de um montante avultado de dívida (1.200 milhões de euros) e o facto de o GES não consolidar várias "holdings". O banqueiro abre ainda a porta à sua saída da liderança do BES.

 

29.05.2014

Auditoria concluída

O ESFG anuncia a conclusão da auditoria da KPMG às contas da ES International. Além da não contabilização de dívidas e da não consolidação de contas, a ESI sobreavaliou activos e subvalorizou provisões para riscos e contingências diversas.

 

02.06.2014

O caso no Luxemburgo

A Procuradoria do Luxemburgo confirma à Lusa que abriu um inquérito a três sociedades do GES ali sedeadas - Espírito Santo Control, ES International e Espírito Santo Financial Group - para apurar eventuais responsabilidades nas irregularidades.

 

 




pub