Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Público: Manuel Pinho recebeu 180 mil euros de veículo sombra do Grupo Espírito Santo

O nome do ex-ministro está referenciado na lista dos fluxos financeiros da ES Enterprise, empresa referenciada nos Panama Papers, e que o Ministério Público investiga desde o final de 2014.

Pedro Elias
Negócios 11 de Abril de 2016 às 08:49
  • Assine já 1€/1 mês
  • 21
  • ...

O ex-ministro da Economia de José Sócrates, Manuel Pinho, é um dos nomes que estão na lista dos fluxos financeiros da ES Enterprise, um veículo sombra do grupo, que servia para pagar a colaboradores ou entidades terceiras e que tem vindo a ser investigada pelo Ministério Público desde 2014.


Segundo o Público desta segunda-feira, 11 de Abril, através desta sociedade terão passado cerca de 180 mil euros destinados a Pinho, sendo que esta alegada remuneração pode estar associada à actividade do ex-governante no universo GES, no qual trabalhou em cargos executivos ao mais alto nível, nomeadamente de administrador.


Manuel Pinho esteve no grupo até 2005, altura em que saiu para o Governo e depois regressou para a vice-presidência da "holding" BES África.


A ES Enterprise seria usada pela família Espírito Santo como "saco azul", nomeadamente, para fazer despesas não documentadas e surgiu agora referenciada na investigação dos Panama Papers, um processo internacional lançado originado numa fuga de informação da sociedade de advogados Mossack Fonseca, que se especializou em ajudar clientes a montar empresas offshore.


Manuel Pinho está agora a reclamar uma reforma antecipada ao Novo Banco, de 3,5 milhões de euros pelas funções de administrador executivo no BES. Em 20 de Abril do ano passado, o ex-governante avançou para tribunal para receber 1,8 milhões de euros. Os visados no processo são o Novo Banco e o Novo Banco África.  

A investigação aos Panama Papers em Portugal, da responsabilidade do Expresso e da TVI, no âmbito do consórcio internacional de jornalistas, revelou que há mais de 240 portugueses referenciados, entre os quais se contam Manuel Vilarinho, ex-presidente do Benfica, Luís Portela, fundador da Bial e o empresário Ilídio Pinho. 

Ver comentários
Saber mais Manuel Pinho ES Enterprise Panama Papers Mossack Fonseca Manuel Vilarinho Luís Portela Ilídio Pinho offshore
Mais lidas
Outras Notícias