Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Que banco é o Efisa e porque pode levar Miguel Relvas ao Parlamento

"O Efisa é o meu bebé", disse o fundador, Abdool Vakil, em 2009. É um banco de investimento que pertenceu ao BPN. É do Estado mas está a ser alienado. Miguel Relvas pode vir a ser um dos seus donos.  

Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 17 de Fevereiro de 2016 às 08:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 16
  • ...

Chegou ao Estado pelas mãos do BPN em 2008 e, desde aí, o Estado quer livrar-se dele. Apesar disso, o Estado teve de colocar lá dinheiro para que tal fosse possível. O Efisa tem agora um comprador. A Pivot, que tem vários donos e da qual Miguel Relvas (na foto) quer ser accionista, é quem quer o banco de investimento. Mas o "pai" é outro.

 

"O Efisa é o meu bebé". As palavras foram ditas ao Negócios, por Abdool Vakil, seu fundador, a 16 de Janeiro de 2009, quando saía da primeira comissão de inquérito ao BPN. Na altura, o banco de investimento já estava no Estado. Vakil queria de volta o banco do qual esteve à frente por mais de duas décadas. 

 

Em 1988, foi fundada a sociedade de investimentos Efisa – Engenharia Financeira, pelas mãos de Vakil em parceria com o britânico Warbug e o Bankinter. Seis anos depois, esta companhia fundiu-se com a sociedade de locação financeira Geoleasing, criando o banco Efisa. O percurso é contado no site do próprio banco que, no arranque do milénio, passou a integrar o grupo bancário BPN.

 

A corrida ao aeroporto da OTA 

 

Foi dentro do grupo encabeçado por José Oliveira Costa que o Efisa percorreu os seus últimos anos de actividade efectiva. Concorreu, em parceria com o Rothschild, à consultoria financeira para a construção do novo aeroporto da Ota, que acabou por perder para o BPI e Citigroup – operação que, contudo, acabou por nunca acontecer.

 

No âmbito da sua actividade de "private equity", também comprou, por exemplo, uma participação numa proprietária de um ginásio.

 

O peso do Efisa era grande dentro do BPN: foi Abdool Vakil que substituiu, interinamente, Oliveira Costa aquando da sua saída no início de 2008. Foi por pouco mais de um ano. A sua administração também foi questionada e o gestor acabou afastado, igualmente a braços com a justiça. O Efisa manteve-se no BPN mas em 2009 a nova actividade foi suspensa. Ficou com a responsabilidade de gerir as carteiras de crédito e de financiamento que já tinha assumido.

 

A separação face ao banco só se deu em 2012 quando o BPN foi reprivatizado, com a venda ao BIC, por 40 milhões, e o banco de investimento integrou as sociedades que ficaram com os activos tóxicos que o comprador não quis. Restam cerca de 30 trabalhadores no Efisa – alguns dos funcionários que não transitaram para o BIC.

 

O problema BPN

 

Foi, aliás, a ligação ao BPN que acabou por prejudicar a passagem do Efisa pelo Estado. A instituição financeira, que mantém a licença bancária concedida pelo Banco de Portugal (o grande trunfo para o comprador Pivot, que não a tem), tinha linhas de financiamento no BIC. No âmbito da venda do BPN àquele banco, ficou estabelecido que não podia ter linhas de financiamento concedidas às sociedades do ex-BPN (o que acontecia com o Efisa e o BPN Crédito, como explicou a antiga ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, no Parlamento). Assim, a dívida nas duas linhas – a mais relevante em euros, a segunda em dólares – tinha de ser liquidada. 

 

Em 2012, o Estado português estava a impor as medidas de austeridade acordadas com a troika no ano anterior. E a capitalizar os grandes bancos do sistema. O Efisa não recebeu aí o dinheiro que precisava. 


Os 90 milhões ao Efisa

 

Recebeu depois. Com a injecção de capital, o banco conseguia cumprir um pagamento exigido pelo BIC, evitando a liquidação.  E o dinheiro ou vinha de comprador ou do accionista Estado. Nenhum comprador estava disponível para pagar tal dinheiro. Foram vários os processos de venda sem sucesso em que o Efisa esteve envolvido. Recuando até Junho de 2009, já o então ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, falava num processo de alienação da instituição. Só em 2015 houve um acordo final.

 

Ao pagar a dívida ao BIC, a administração da Parparticipadas, de Francisco Nogueira Leite e Bruno Castro Henriques, foi conseguindo melhorar os rácios do banco de investimento, que em termos operacionais pouco gera nas suas várias áreas (como a estrutura de financiamentos a empresas, a assessoria a fusões e aquisições e "private equity"). Assim, poderia avançar-se para a venda. 

 

Daí que a Parparticipadas tenha sido alvo, nos últimos dois anos, de vários aumentos de capital, que totalizaram 90 milhões de euros. Foi este o dinheiro que foi colocado no Efisa para pagar a dívida perante o BIC. A última tranche foi de 12,5 milhões de euros, paga em Dezembro de 2015, já com o novo Governo socialista no poder. Com a publicação da notícia sobre essa injecção, em Janeiro deste ano, o Executivo de António Costa veio a público rejeitar qualquer responsabilidade. Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado do Tesouro, defende que esta é uma pasta herdada da anterior titular, Isabel Castelo Branco. 

 

A entrada de Relvas 

 

Foi esse o motivo avançado pelo Partido Socialista para chamar a antiga governante do Executivo da coligação PSD e CDS. Ao mesmo tempo, o PS pediu também a audição ao ex-ministro do mesmo Governo, Miguel Relvas. A comissão de Orçamento e Finanças decide estes pedidos na reunião desta quarta-feira, 17 de Fevereiro. O Público noticiou que o social-democrata é um dos novos investidores com interesse em ser dono da Pivot, o veículo que ganhou a corrida pelo Efisa por 38 milhões de euros (menos 2 milhões do que os pagos pelo BPN mas, ainda acima, quase três vezes abaixo do dinheiro injectado pelo Estado nos últimos dois anos). 

 

Relvas e outros investidores, como o presidente da Roff, Francisco Febrero, pediram ao Banco de Portugal para se juntarem aos quatro donos iniciais da Pivot: a sociedade de investimento britânica Aethel, de Ricardo Santos Silva e Aba Schubert, o antigo vice-governador do Banco de Angola, Mário Palhares, e o líder da consultora Roland Berger em Portugal, António Bernardo. Para já, ainda não há posição do regulador sobre a idoneidade dos novos donos. 

 

Sabe-se, sim, que a Pivot quer aproveitar para expandir o Efisa para várias geografias, como Angola, Moçambique e Brasil. Não é uma novidade. Em 2011, o empresário português Miguel Pais do Amaral afirmou ter interesse nesta instituição financeira, também para esta se poder dedicar a Angola e Brasil. 

 

 

Tome Nota Relvas tema na comissão Esta quarta-feira, Miguel Relvas é tema da comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

"Apreciação e votação do requerimento apresentado pelo PS – pedido para audição da ex-secretária de Estado, Isabel Castelo Branco, e do ex-ministro Miguel Relvas" é um dos pontos da agenda. Foram os socialistas que solicitaram o agendamento.

"O anterior Governo PSD/CDS, liderado pelo primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, injectou 90 milhões de euros num banco que amanhã, caso o Banco de Portugal assim o decida, poderá ser de Miguel Relvas, ex-ministro e ex-número dois de Pedro Passos Coelho", dizia o requerimento dos deputados João Paulo Correia e João Galamba. 
Ver comentários
Saber mais Efisa BPN Miguel Relvas Abdool Vakil José Oliveira Costa BPI BIC Banco de Portugal BPN Crédito Maria Luís Albuquerque Parlamento Teixeira dos Santos Francisco Nogueira Leite Bruno Castro Henriques banca
Outras Notícias