Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Santander formaliza interesse na compra do Novo Banco

O banco espanhol segue-se ao BPI e apresenta-se à primeira fase da compra do Novo Banco. António Vieira Monteiro, presidente do banco em Portugal, sempre admitiu vontade de analisar o dossiê.

Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 23 de Dezembro de 2014 às 19:22
  • Assine já 1€/1 mês
  • 10
  • ...

O Santander apresentou uma manifestação de interesse pelo Novo Banco. É o segundo a fazê-lo, depois de o Banco BPI já ter dado esse passo há uma semana.

 

"O Santander formalizou hoje a manifestação do seu interesse na aquisição do Novo Banco, SA", indica um e-mail enviado pelo banco às redacções. A informação é transmitida pela unidade portuguesa, o Santander Totta, mas a manifestação de interesse é feita pelo grupo.

 

"Tendo em conta os termos de referência relativos à alienação do Novo Banco, SA, o Santander deliberou apresentar-se à primeira fase do respectivo procedimento, o que corresponde à entrega da manifestação de interesse, segundo confirma o presidente executivo do Banco Santander Totta, Dr. António Vieira Monteiro", adianta o mesmo comunicado.

 

Conforme estipulado no caderno de encargos quando arrancou o processo de venda, no início de Dezembro, os potenciais interessados têm até às 17 horas do próximo dia 31 de Dezembro para se tornarem potenciais compradores. A 16 de Dezembro, o BPI decidiu, em reunião de administração, entregar essa manifestação de interesse. Fê-lo, portanto, quinze dias antes do final do prazo. O Santander mostrou-se uma semana depois.

 

A manifestação de interesse de qualquer instituição tem de constar de um PDF e ser enviada por e-mail para o BNP Paribas, que está a assessorar a operação. 

 

Nestes casos, estão em causa manifestações oficiais interesse. É a primeira fase da alienação deste banco de transição criado a 3 de Agosto, quando o BES foi alvo de uma medida de resolução. Não é, portanto, uma decisão final. Aliás, ainda não há qualquer proposta em cima da mesa, muito menos vinculativa. Essas serão as fases seguintes do processo - às quais o BPI e o Santander se está a candidatar.

 

Eduardo Stock da Cunha, CEO do Novo Banco espera ver uma "fila" de potenciais interessados. Este é o único anúncio oficial. No início de Dezembro, a TVI referiu que os chineses da Fosun também já tinham avançado com uma proposta. 

 

"Digam-me o que lá está e direi se estou interessado"

 

A comunicação do Santander tem sido cautelosa sobre este tema. A instituição financeira tem-se dito satisfeita com a actividade em Portugal – onde opera com o Santander Totta – mas nunca negou que estava a olhar para o que se passa no mercado. "Não há dúvida nenhuma que estamos a olhar", disse Vieira Monteiro no início de Dezembro.

 

O banco queria ter a certeza do que estava no Novo Banco, pelo que sempre disse que qualquer posição oficial só seria tomada depois de revelado o balanço inicial. "Digam-me lá o que lá está e direi se estou interessado".


Tal como Ulrich, Vieira Monteiro criticou o preço 

 

Vieira Monteiro também já falou sobre o preço do Novo Banco, alvo de uma injecção de capital de 4,9 mil milhões de euros. Em entrevista ao Expresso, em Novembro, o CEO do Santander Totta foi crítico: "Analisando o que é o banco hoje e o que são os outros bancos, acho difícil que venha a valer isso [4,9 mil milhões de euros], sobretudo porque esse preço é influenciado por uma operação específica de três mil milhões feita ao BES Angola".

 

A partir desta terça-feira, o Totta segue o BPI e está oficialmente em dois lados no que envolve a venda do Novo Banco. Por um lado, é um potencial comprador, depois de ter decidido manifestar o interesse na instituição. Por outro, o banco é uma das instituições que contribui para o fundo de resolução do sector financeiro, ou seja, é um dos que contribui para o accionista único do Novo Banco. Qualquer venda abaixo dos 4,9 mil milhões de euros irá penalizar a banca (que é a responsável por assegurar a diferença do montante da alienação e o da capitalização).

 

Popular entre os interessados, segundo jornal espanhol

 

O BPI e o Santander são, à data, as únicas manifestações de interesse no Novo Banco oficiais. O jornal espanhol Cinco Días avançou, contudo, esta terça-feira que há mais instituições em cima da mesa. O Santander, o La Caixa (maior accionista do BPI) e o Popular eram as entidades que se teriam mostrado dispostas a comprar o Novo Banco. A novidade seria, aqui, o Banco Popular.

 

É a gestão do Popular em Espanha que está a concentrar este dossiê, garantiu fonte oficial do banco em Portugal que, por isso, não tinha comentários a fazer. O Negócios tentou contactar o banco espanhol mas não obteve resposta.

 

O Cinco Días dá o Sabadell, accionista do BCP, e o BBVA, já presente em Portugal, como estando fora da corrida pelo herdeiro dos activos e passivos saudáveis do Banco Espírito Santo. Contactado, o BBVA Portugal não fez comentários.

 

O Banco de Portugal, em resposta ao Negócios esta terça-feira, também não quis comentar quaisquer manifestações de interesse.

 

 
Quatro fases, duas datas
Não há datas indicativas para o processo de venda do Novo Banco. Só se sabe que quem quiser comprar o Novo Banco tem de dizê-lo ao BNP até ao final do ano. O Banco BPI é o primeiro a oficializar o interesse. O Totta já o seguiu.
 

31.12.2014  - Manifestação
Até às 17 horas do último dia do ano, os interessados têm de mandar uma manifestação de interesse em adquirir o Novo Banco. As propostas são enviadas em PDF por email. Quem as entrega tem de cumprir certos pré-requisitos. 

 

Sem data - Não vinculativa
Os potenciais compradores do Novo Banco, que tenham sido aceites depois da manifestação de interesse, terão de apresentar propostas não  vinculativas na segunda fase. Admite-se que haja negociação.

 

Sem data - Vinculativa
Se a proposta não vinculativa avançar, os potenciais compradores são convidados a apresentar indicações já vinculativas. Pode ter de haver negociação, também.

 

03.08.2016 - Decisão final
Pré-selecção das melhores propostas para, depois, haver decisão, que tem de chegar até Agosto de 2016. O BdP quer tomá-la em 2015. 

 

(Notícia actualizada com mais informações às 19h35)

Ver comentários
Saber mais Santander António Vieira Monteiro Santander Totta
Mais lidas
Outras Notícias