Banca & Finanças Sindicatos dos bancários querem aumentos de 3% e criticam bancos por intransigência

Sindicatos dos bancários querem aumentos de 3% e criticam bancos por intransigência

Os sindicatos ligados à UGT criticam, em comunicado, os bancos de "intransigência" nas negociações para aumentos salariais, que arrancaram esta semana e nas quais foram pedidos aumentos de 3% e as instituições propuseram 0,4%.
Sindicatos dos bancários querem aumentos de 3% e criticam bancos por intransigência
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 08 de março de 2018 às 13:31

Esta terça-feira arrancaram as negociações para aumentos salariais entre os sindicatos da Febase - Federação do Setor Bancário e o grupo negociador dos bancos sobre "aumentos da tabela salarial e cláusulas de expressão pecuniária", não tendo havido acordo como já se esperava, segundo o comunicado disponibilizado no 'site' do Sindicatos dos Bancários do Norte (SBN).

 

A Febase fez na reunião uma proposta de aumentos salariais de 3%, justificada com a inflação e os ganhos da economia, por considerar que as instituições de crédito "também são beneficiárias, como se comprova nos sinais de grande recuperação que têm vindo a dar, perceptível nos resultados apresentados".

 

Já dos bancos a proposta foi de um aumento de 0,4%, que a Febase critica, referindo ser um "valor inaceitável (...) face à conjuntura actual do sector, em clara fase de recuperação".

 

"Se é verdade que a situação do sector ainda não é a melhor, está neste momento a superar o período de crise pelo qual passou", reitera o comunicado do SBN.

 

Os sindicatos ligados à UGT dizem ainda que ficaram surpreendidos com a postura de "intransigência" dos negociadores dos bancos, que não deram "quaisquer sinais que evidenciem predisposição para evoluir na proposta, antes pelo contrário, afirmando que a mesma está justificada na sua fundamentação".

 

Com a proposta de 0,4%, o GNIC (grupo negociador dos bancos) argumenta que os encargos seriam bastante superiores e acrescido de pretensos 0,8% da massa salarial, refere o SBN.

 

Na reunião, os representantes dos patrões justificaram, ainda, segundo o comunicado, a impossibilidade de mais aumentos por não haver reflexos a curto prazo da negociação em 2016 no Acordo Colectivo de Trabalho na redução de encargos com pessoal e que os bancos terão mais custos com a implementação das novas normas europeias e digitalização do setor.

 

Já a Febase argumentou que os bancos "lucraram muito com as formações feitas pelos trabalhadores em horário pós-laboral, sem qualquer pagamento de horas".

 

O comunicado do SBN termina a dizer que no sector bancário se vive um "clima de paz social" que "muito se deve aos Sindicatos da Febase, que sempre mostraram uma postura responsável e dialogante", com os trabalhadores a mostraram "total compreensão pela situação que a banca atravessou e para a qual em nada contribuíram".

 




pub