Banca & Finanças Ulrich: BPI tem "condições" para comprar o Novo Banco

Ulrich: BPI tem "condições" para comprar o Novo Banco

O banqueiro declarou que o seu banco "tem condições para mobilizar aquilo que é necessário para uma operação dessas, se ela confirmar o interesse que nós pensamos que pode ter".
Ulrich: BPI tem "condições" para comprar o Novo Banco
Negócios 18 de novembro de 2014 às 10:19

O BPI continua de olho no Novo Banco e pode vir a avançar para a sua compra. Fernando Ulrich considera que a instituição é "interessante" e que a instituição tem munições suficientes para a operação.

 

"Pensamos que é uma oportunidade que pode vir a ser muito interessante", disse o presidente executivo do BPI na segunda-feira, 17 de Novembro, à margem da cerimónia da revista Exame que premiou as maiores e melhores empresas a operar em Portugal.

 

Fernando Ulrich declarou que o BPI "tem condições para mobilizar aquilo que é necessário para uma operação dessas, se ela confirmar o interesse que nós pensamos que pode ter", disse à SIC Notícias.

 

"Temos condições para mobilizar aquilo que é necessário", reforçou o banqueiro.

 

O Novo Banco poderá ser vendido no próximo ano, mas por um valor mais baixo do que os 4,9 mil milhões de euros da recapitalização. Isto mesmo foi transmitido ontem pelo presidente do Banco de Portugal na comissão parlamentar de inquérito ao BES.

 

"Esperam-se ofertas indicativas no início do ano [2015] e ofertas vinculativas a meio do segundo trimestre do próximo ano", afirmou Carlos Costa. O governador admitiu que já "há interessados" na instituição.

 

É público o interesse do BPI no Novo Banco. Fernando Ulrich declarou no início de Outubro que já estava a "estudar" a compra do banco que nasceu do BES e onde ficaram os seus activos saudáveis.

 

"Penso que é um dever profissional de quem tem uma equipa executiva de um banco que está a operar no mesmo mercado e que tem uma dimensão que lhes permite encarar esta oportunidade [do Novo Banco], como é o caso do BPI, estudar o que essa oportunidade pode representar", afirmou a 8 de Outubro.

 

Antes, no início de Setembro, Fernando Ulrich veio dizer que estava "convicto" que o Novo Banco "não vale 4,9 mil milhões", valor pelo qual o BES foi resgatado pelo Banco de Portugal.

 

"O que pode acontecer é que o Banco de Portugal tenha feito mal as contas e aquilo seja vendido por exemplo ao Bilbao Vizcaya por um euro. (...) Nesse caso não vamos à falência mas é duro, muito duro", apontou, em entrevista ao Expresso.

 

Mais recentemente, o líder do BPI revelou que "preferia a solução do Partido Comunista" para o BES, ou seja, a "nacionalização" da instituição.

 

"É que se tivessem nacionalizado o banco, o BPI e os outros bancos não estavam agora com um risco enorme sob si que é, na eventualidade do banco ser vendido com prejuízo, nós termos que arcar com um prejuízo que pode ser muito significativo", sublinhou no programa Quadratura do Círculo.

 

Nesta ocasião, o banqueiro avisou que os bancos podem avançar para a justiça se o prejuízo com o resgate ao BES for elevado. "É uma questão muito sensível e tem a ver com aquilo que eu disse há pouco quanto à dimensão do problema. Provavelmente, se o problema for muito grande, os bancos não têm outro remédio senão litigar com o Estado e o Banco de Portugal".

 

O BES foi resgatado por 4,9 mil milhões de euros no início de Agosto com o apoio de um sindicato bancário que entrou com 700 milhões de euros no banco. Isto aconteceu depois do banco ter apresentado prejuízos acima dos 3,5 mil milhões de euros no segundo trimestre.

 

Este sindicato é constituído por oito instituições: Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP, BPI, Santander Totta, Crédito Agrícola, Montepio, BIC e Banco Popular.

 

Também o Santander Totta já admitiu o seu interesse no Novo Banco. Mas tal como o líder do BPI, também António Vieira Monteiro considera que "é difícil que o Novo Banco venha a valer 4,9 mil milhões de euros".




pub

Marketing Automation certified by E-GOI