Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Venda do Novo Banco decidida após revisão das ofertas

A escolha do vencedor da corrida ao Novo Banco será feita esta semana. Banco de Portugal aguarda revisão final das propostas para decidir entre a Lone Star e o consórcio Apollo/Centerbridge.

Bruno Simão/Negócios
Maria João Gago mjgago@negocios.pt 03 de Janeiro de 2017 às 07:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 15
  • ...
O Banco de Portugal aguarda a revisão final das ofertas para a compra do Novo Banco para decidir quem vai comprar a instituição. A escolha, a apresentar até ao final do dia de quarta-feira, será entre a Lone Star e o consórcio Apollo/Centerbridge, uma vez que o China Minsheng não apresentou as garantias financeiras exigidas.

Ao que o Negócios apurou, o favoritismo atribuído nos últimos dias à oferta da Lone Star, que começou por ser a segunda mais interessante a seguir à do candidato chinês, pode vir a ser anulado por uma melhoria da proposta do rival norte-americano. No mercado, admite-se que a aliança Apollo/Centerbidge venha a rever a sua oferta, igualando ou superando as condições financeiras do outro candidato oriundo dos Estados Unidos. No limite, a possibilidade de a Holding Violas Ferreira vir a juntar-se àquele consórcio – hipótese de que o supervisor não tem conhecimento formal – pode fazer a diferença, no caso de o Banco de Portugal vir a ser confrontado com duas propostas financeiramente equivalentes.

Certo é que a entidade liderada por Carlos Costa terá de tomar uma decisão sobre o vencedor da corrida ao Novo Banco até ao final de quarta-feira. É que a validade da proposta da Lone Star termina a 4 de Janeiro, dia em que passam 60 dias sobre a entrega das propostas finais, prazo mínimo aceite pelo Banco de Portugal.

Apesar da pressão sobre o calendário da decisão, a equipa técnica responsável pelo processo, liderada por Sérgio Monteiro, tem mantido contactos com os três candidatos desafiando-os a um último esforço de melhoria das suas propostas. Diligências que, a terem reflexos nas condições das ofertas em cima da mesa, poderão condicionar a decisão final do supervisor. Qualquer escolha do BdP ficará também condicionada à aprovação do Governo.

Tome nota

Ponto de situação das propostas dos três finalistas

A venda do Novo Banco está na recta final. A falta de garantias chinesas abriu caminho a uma disputa entre os dois candidatos norte-americanos.

Chineses ainda não deram garantias

A proposta do China Minsheng era a mais arrojada financeiramente, já que oferecia 750 milhões de euros por uma posição de controlo no Novo Banco. No entanto, o grupo chinês ainda não apresentou as garantias sobre a sua capacidade de honrar a sua proposta exigidas pelo Banco de Portugal. Formalmente, o Minsheng ainda não foi eliminado da corrida à compra do banco liderado por António Ramalho. Mas, na prática, a sua oferta já está fora do radar.

Lone Star Força decisão rápida

A Lone Star propõe-se pagar 750 milhões de euros para ficar com 100% do Novo Banco, onde se compromete a injectar mais 750 milhões no caso de sair vencedor do concurso. A sua proposta é válida apenas até 4 de Janeiro, posição que impõe uma decisão rápida por parte do Banco de Portugal. A oferta pressupõe uma garantia estatal para um mecanismo de gestão de activos problemáticos que deverão garantir receitas futuras ao Estado. Uma solução que exige aval das autoridades europeias e do Governo.

Apollo estará a melhorar proposta

A proposta do consórcio Apollo/Centerbridge ganhou interesse com a saída de jogo do China Minsheng. Apesar de a primeira versão da sua proposta final ser a menos interessante, há a expectativa de que os fundos norte-americanos venham a melhorar a sua oferta financeira. A eventual entrada de parceiros portugueses pode dar novo fôlego à aliança norte-americana em cima da meta na corrida pelo Novo Banco.

Ver comentários
Saber mais Novo Banco Banco de Portugal Sérgio Monteiro Lone Star Apollo Centerbridge China Minsheng Holding Violas Ferreira
Outras Notícias