Comércio Jerónimo Martins e Sonae sobem no "ranking" das maiores retalhistas do mundo

Jerónimo Martins e Sonae sobem no "ranking" das maiores retalhistas do mundo

Ambos os grupos portugueses escalaram postos na classificação elaborada pela Deloitte e a revista Store. A Jerónimo Martins aparece como uma das 50 empresas que mais cresceu em 2013.
Jerónimo Martins e Sonae sobem no "ranking" das maiores retalhistas do mundo
Bloomberg
Negócios 12 de janeiro de 2015 às 16:06

Dois grupos portugueses, o Jerónimo Martins e a Sonae, melhoraram a sua posição dentro da lista das 250 maiores empresas retalhistas do mundo, segundo a última edição do relatório Global Powers of Retailing, realizado pela Deloitte e a revista Stores.  

 

O relatório, que inclui as empresas retalhistas que facturaram mais de 3,8 mil milhões de dólares, revela que em conjunto todas elas facturaram em 2013 um total de 4,35 bilhões de dólares. Este volume supõe uma queda no crescimento do sector de 4,1% face ao período homólogo.

 

A classificação, referente aos resultados de 2013 ou 2013/2014 (no caso em que o exercício fiscal não coincide com o ano), continua a ser liderada pela cadeia comercial norte-americana Wal-Mart Stores, seguida pela sua compatriota Costco. Na terceira posição situa-se o grupo francês Carrefour, com presença em mais de 33 países.  

 

Na sétima posição está o grupo alemão Metro, dono de firmas com presença em Portugal como a Media Markt, especializada na comercialização de produtos tecnológicos, e a Makro dentro do segmento de Cash & Carry. Assim, no 14º posto mantém-se o grupo francês Auchan, dono da cadeia de supermercados Jumbo em Portugal, assim como de outros espaços comerciais, como o Pão de Açúcar e a Box.

 

O grupo Jerónimo Martins, proprietário do Pingo Doce, situa-se como a empresa mais destacada dentro do panorama nacional situando-se na posição número 62, lugar que o ano anterior ocupava o El Corte Inglés. De facto, o grupo espanhol presidido por Dimas Gimeno retrocedeu quatro lugares na lista, devido a sua alta dependência do mercado espanhol, mais afectado pela crise.

 

Antes da crise o El Corte Inglés era o maior grupo retalhista de Espanha e o 39º do mundo, mas a sua escassa diversificação internacional (além de na Espanha apenas tem presença em Portugal) e a sua alta exposição aos segmentos onde mais caiu o consumo, têm provocado um retrocesso do grupo de 27 lugares desde 2008. Contudo, para o presente exercício fiscal do grupo, que acaba no próximo 28 de Fevereiro, o El Corte Inglês prevê voltar ao crescimento.

 

O relatório, que também inclui uma listagem com as cinquenta empresas retalhistas que mais cresceram no exercício 2013, situa à Jerónimo Martins no posto número 45, com um crescimento nas suas receitas de 10,7%. Porém, em comparação com os resultados do ano anterior, o grupo presidido por Pedro Soares dos Santos retrocedeu 20 lugares, ocupando a posição número 25.

 

Apesar do retrocesso na classificação, o grupo português continua o seu processo de crescimento, sobretudo, baseado na internacionalização do grupo, nomeadamente na Colômbia com a cadeia de supermercados Ara e na Polónia com a firma Biedronka.

 

A Sonae, dona dos supermercados Continente, é o outro grupo português incluído no ranking da Deloitte. A companhia presidida por Paulo Azevedo posiciona-se no lugar 155, melhorando 10 posições face à classificação homóloga, quando se situou no lugar número 165.

 

A empresa espanhola DIA (Distribución Internacional de Alimentación) proprietária dos supermercados Mini Preço em Portugal, ascendeu um posto na classificação, do número 73 ao 72. Outra empresa espanhola, Inditex, dona de firmas de roupa como Zara, Massimo Dutti, Pull and Bear ou Springfield também sobe um lugar na classificação de Deloitte (44º).  




pub