Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Finanças: Críticas do BCE à reforma da supervisão “são acomodáveis”

O BCE já concluiu o seu parecer sobre a reforma da supervisão financeira proposta pelo Executivo português. Mourinho Félix garante que as críticas não põem em causa a estrutura que foi pensada pelo Governo.

Miguel Baltazar/Negócios
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
"O parecer do BCE não põe em causa a estrutura da reforma", reage Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado Adjunto e das Finanças, em declarações ao Negócios. "As críticas são acomodáveis", assegura. Mas não esconde que há divergências, sobretudo no que diz respeito à possibilidade de sujeitar o Banco de Portugal à inspeção da IGF.

Em causa está o parecer do Banco Central Europeu, que deverá ser enviado em breve para o Parlamento, e que foi avançado pelo Observador e já noticiado também pelo ECO. O documento faz diversas críticas à reforma da supervisão, argumentando que o novo enquadramento coloca mais pressão sobre o governador do Banco de Portugal.

"O parecer não traz nenhuma surpresa", garante Mourinho Félix, notando que levanta de modo "claro e objetivo" um conjunto de "pontos e questões que o Banco de Portugal já tinha levantado de forma mais apaixonada".

Desvalorizando as críticas, Mourinho Félix frisa que alguns pontos até já não constam da proposta final que foi enviada à Assembleia da República, porque foram alterados na sequência do parecer do Banco de Portugal.

Mas permanece pelo menos uma divergência: a possibilidade de o Banco de Portugal ser inspecionado pela IGF.  "Essa é uma visão de independência que não traduz a nossa", responde o secretário de Estado. "A independência é o direito de os supervisores exercerem a supervisão sem o controlo do Governo", frisa. "Mas não pode ser levada a um extremo em que não haja controlo financeiro e democrático," defende.

Para o governante, tal como está, a proposta de lei acautela a independência necessária aos supervisores, dando apenas poderes ao Parlamento para fiscalizar a sua ação sem ferir a confidencialidade, e à IGF para averiguar sobre "a boa utilização dos dinheiros públicos".

"O Banco de Portugal é uma pessoa coletiva de direito público e deve estar sujeito à atividade inspetiva. A IGF não é um serviço do Ministério das Finanças, é uma autoridade que faz inspeções sobre a boa utilização do dinheiro público," sublinha Mourinho Félix, defendendo que a IGF deve fazer inspeções no banco central "como faz por exemplo nos serviços administrativos dos tribunais".

Sobre as questões relacionadas com a dificuldade de articulação entre o Banco de Portugal, o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros e a nova Autoridade de Resolução, o governante argumenta que "a arquitetura" da supervisão proposta pelo Executivo "define a estrutura do edifício", mas que caberá depois às instituições, e às pessoas que as compõem, definir o modo e a prática de funcionamento.

Sobre a duração do mandato dos governadores – que o BCE nota que em determinados casos pode acabar por ser inferior a cinco anos, o que colide com os estatutos do sistema europeu de bancos centrais – Mourinho Félix diz que este é um dos casos que será facilmente acomodado.

O parecer do BCE é obrigatório, mas não é vinculativo. Tinha sido pedido pelo Executivo a 11 de janeiro e a proposta de lei foi enviada para a Assembleia da República a 11 de março, depois de terem sido entregues os pareceres dos três supervisores visados na reforma: o Banco de Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões. Caberá agora aos partidos avaliar as críticas e alterar a proposta de lei do Governo, caso considerem adequado.
Ver comentários
Saber mais Reforma da Supervisão Banco de Portugal Governo Ministério das Finanças BCE CMVM ASV Ricardo Mourinho Félix
Mais lidas
Outras Notícias