Construção Dívidas a construtoras portuguesas em Angola alarmam FMI

Dívidas a construtoras portuguesas em Angola alarmam FMI

Angola não está a conseguir resolver o problema das dívidas às empresas de construção portuguesas: perdões de dívida elevados e problemas de certificação fragilizam as empresas e preocupam o FMI.
Dívidas a construtoras portuguesas em Angola alarmam FMI
Simon Dawson/Bloomberg
Negócios 25 de fevereiro de 2020 às 09:02
O Fundo Monetário Internacional (FMI) está preocupado com a dívida de Angola a fornecedores externos, entre eles empresas portuguesas do setor da construção, escreve o Público na edição desta terça-feira, 25 de fevereiro.

Na última avaliação às medidas impostas pelo FMI, no âmbito do pedido de assistência financeira feito por Angola em 2018, ficou claro que o país está a ter dificuldades em não acumular dívida a fornecedores externos, o que preocupa os responsáveis do Fundo. 

Mas também em pagar a já existente: há empresas portuguesas com faturas por receber e muitas delas têm dificuldades em ver as despesas assumidas e certificadas; outras aceitaram perdões de dívida elevados ('haircuts' superiores a 40%). 

"Um país que não paga a sua dívida passa a ter problemas para se financiar", admitiu Marcos Rietti Souto, representante residente do FMI em Angola, na apresentação de um relatório sobre a África Subsaariana.

As dívidas de Angola às construtoras portuguesas rondam os 500 milhões de euros, resultado de um passivo que se acumulou durante décadas.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI