Desporto Benfica SAD com recorde de receitas e segundo maior lucro de sempre

Benfica SAD com recorde de receitas e segundo maior lucro de sempre

A Benfica SAD fechou a época 2018/2019 com lucros de 29,4 milhões de euros, uma subida de mais de 42%, e as receitas cresceram 27,7% para um recorde absoluto de 263,3 milhões. E pela primeira vez desde a criação da SAD os capitais próprios superam o capital social.
Benfica SAD com recorde de receitas e segundo maior lucro de sempre
Pedro Curvelo 18 de setembro de 2019 às 19:32
A Benfica SAD aumentou em 42,8% os lucros na época 2018/2019, para os 29,4 milhões de euros, o segundo maior valor de sempre da sociedade anónima desportiva das "águias". E as receitas cresceram 27,7% para um máximo histórico de 263,3 milhões de euros, indicou esta quarta-feira a SAD em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A SAD assinala ainda que os rendimentos operacionais excluindo transferências de jogadores registaram uma subida de 36,3%, para os 165,7 milhões de euros, impulsionados pelas receitas decorrentes da participação na Liga dos Campeões, que totalizaram, no que respeita a prémios, 56,8 milhões de euros, um incremento de 38,9 milhões face à época anterior.

As transferências de atletas resultaram numa receita de 97,6 milhões de euros, sendo que a venda de João Félix para o Atlético de Madrid por 120 milhões de euros apenas será contabilizada nas contas do atual exercício, uma vez que ficou fechada já em julho.

Em declarações aos jornalistas, Domingos Soares de Oliveira, CEO da SAD, classificou o ano como "absolutamente excecional em termos económico financeiros".

As receitas com bilhética cresceram 3,3 milhões de euros, ascendendo a 27,3 milhões, enquanto os proveitos com patrocínios atingiram os 23,3 milhões de euros, uma subida de 2,1 milhões.

Em contrapartida, os gastos operacionais aumentaram 41,1%, cifrando-se em 164,3 milhões de euros. Os gastos com pessoal aumentaram 42,6%, para 96,8 milhões de euros, sendo que cerca de um quinto deste valor respeita à componente variável, associada a prémios por objetivos para jogadores e equipa técnica, nomeadamente o apuramento para a Liga dos Campeões e a conquista do título de campeão nacional.

Também os gastos com fornecimentos e serviços externos dispararam 49%, para 54,9 milhões de euros, influenciado pelo maior número de jogos realizados no Estádio da Luz e mais deslocações e estadas, decorrentes da campanha mais longa na "Champions".

O ativo da SAD aumentou 3,2%, para 500,8 milhões de euros, enquanto o passivo diminuiu 3,4%, situando-se em 384,6 milhões.

Desta forma, o capital próprio aumentou em 33,8%, ascendendo a 116,2 milhões de euros, valor que supera os 115 milhões de euros de capital social da SAD, algo que sucede pela primeira vez desde a constituição da SAD.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI