Desporto No Super Bowl 50 brilharam os Broncos, Lady Gaga, Beyoncé e mais uma vez os anúncios

No Super Bowl 50 brilharam os Broncos, Lady Gaga, Beyoncé e mais uma vez os anúncios

Os Denver Broncos venceram os Carolina Panthers no Super Bowl 50, mas não só de desporto se fez este jogo. Beyoncé, Lady Gaga, Anthony Hopkins, David Bowie e Christofer Walken também foram alguns dos protagonistas.
A carregar o vídeo ...
André Vinagre 08 de fevereiro de 2016 às 17:10

Dentro das quatro linhas, os Denver Broncos levaram de vencidos os Carolina Panthers por 24-10, mas a final da liga de futebol americano fica marcada pelo espectáculo, pelos concertos, pelos anúncios e pelos milhões que a rodeiam.

 

Se, durante o tempo de jogo, os grandes protagonistas foram os Broncos, liderados por Peyton Manning e Von Miller, considerado o MVP (melhor jogador) da final, antes do pontapé de saída, Lady Gaga foi a estrela ao cantar o hino norte-americano, um momento que abre as hostes de qualquer Super Bowl.

 

O intervalo é um momento tão ou mais aguardado que o próprio jogo. Nesta 50.ª edição, o espectáculo esteve a cargo de Beyoncé, Bruno Mars e dos Coldplay. A banda britânica liderada por Chris Martin juntou-se a Beyoncé e a Bruno Mars para um concerto de menos de 15 minutos onde interpretaram alguns dos seus maiores êxitos.

 

O Super Bowl também se faz de alguns dos mais marcantes anúncios publicitários e as marcas aproveitam este tempo de antena, que é o mais caro e o mais visto da televisão norte-americana, para apresentarem as suas novidades da forma mais criativa.

 

A Audi mostrou "Commander", um anúncio ao recente R8 que também serve de homenagem póstuma a David Bowie. Já o actor Anthony Hopkins foi o protagonista do anúncio ao "software" de preparação fiscal TurboTax e o também actor Christopher Walken ajudou a promover a fabricante automóvel Kia, com o anúncio "Walken Closet".

 

Todo este espectáculo do Super Bowl envolve quantias astronómicas. Com audiências da casa dos 115 milhões de espectadores por todo o mundo, 30 segundos de publicidade custam 5 milhões de dólares. A Forbes prevê que este evento gere mais de 620 milhões de dólares para a NFL.

Este Super Bowl foi um dos mais vistos de sempre. A CBS já confirmou que bateu o recorde no que toca às transmissões por "streaming", não revelando mais detalhes, e a Nielsen diz que a transmissão teve um "rating" (percentagem global de telespectadores) de 49%, o segundo maior de sempre, apenas ultrapassado pela transmissão do ano passado, que teve 49,7%.

Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters



pub

Marketing Automation certified by E-GOI