Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Pauleta diz que «não temos medo de ninguém»

O avançado Pauleta deixou hoje claro que a equipa lusa nada teme e está preparada para tudo que envolve o jogo de sábado, dos quartos-de-final do Mundial da Alemanha2006.

Negócios com Lusa 28 de Junho de 2006 às 16:15
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O avançado Pauleta deixou hoje claro que a equipa lusa nada teme e está preparada para tudo que envolve o jogo de sábado, dos quartos-de-final do Mundial da Alemanha2006.

«Não temos medo de ninguém. Se lerem a história de Portugal podem comprová-lo. Respeitamos toda a gente e só queremos ser respeitados. Não admitimos é que nos faltem ao respeito, que venham com mentiras sobre os jogadores ou o país», afirmou o açoriano, a três dias do embate com os ingleses, marcado para Gelsenkirchen.

Pauleta respondeu desta forma, depois de ter sido questionado se Portugal tinha medo «da imprensa inglesa, dos adeptos ingleses ou da equipa inglesa», após as queixas do número ‘9’ português, em relação a declarações que teria feito... e nunca fez.

«É completamente falso que tenha dado qualquer entrevista», frisou ainda o avançado luso, citado no "The Sun" a afirmar que o guarda-redes inglês Paul Robinson era o «ponto débil» da selecção de «sua majestade» e que, como tal, iria «ser explorado» por Portugal.

A entrevista foi «fabricada» pelo sensacionalista jornal inglês e reproduzida pelo «Sky Sports», que, entretanto, alguns órgãos de comunicação social portuguesa citaram, para irritação de Pauleta, que, com tranquilidade, garantiu que nada afectará a equipa lusa.

«Esta é mais uma prova que o futebol não se joga só dentro do campo. Infelizmente é assim, mas estamos preparados e preocupados exclusivamente connosco. Existem muitas pessoas contra, mas já é habitual quando Portugal começa a fazer boa figura».

Pauleta criticou ainda as palavras do seleccionador brasileiro, Carlos Alberto Parreira, afirmando que este não se deveria ter referido, como fez, ao Portugal-Holanda, o que, segundo açoriano, aconteceu como «pressão já para as meias-finais».

Ver comentários
Outras Notícias