Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

46% dos portugueses querem que a TAP fique nas mãos do Estado

Perto de metade dos inquiridos numa sondagem da Aximage defende que a TAP deve continuar nas mãos do Estado. A possibilidade de venda total da TAP é a que menos agrada aos portugueses, seguida da venda parcial, a solução actualmente em curso.

André Cabrita-Mendes andremendes@negocios.pt 15 de Janeiro de 2015 às 19:45
  • Assine já 1€/1 mês
  • 47
  • ...

Cartão vermelho para o modelo de privatização que o Governo escolheu para a TAP. Quase metade dos portugueses querem que a companhia aérea continue nas mãos do Estado português.

 

Esta é a principal conclusão da sondagem da Aximage para o Jornal de Negócios e o Correio da Manhã divulgada esta quinta-feira, 15 de Janeiro.

 

Dos 601 inquiridos, 46% considera que o Estado não deve vender a transportadora aérea nacional e deve manter a totalidade do seu capital.

 

A possibilidade da venda parcial da TAP, mas com o Estado a manter uma posição maioritária, é a segunda opção a reunir maior consenso entre os portugueses (33,7%).

 

Das quatro perguntas colocadas aos portugueses, a solução defendida pelo Governo de Passos Coelho surge na terceira posição (9,2%). Estes inquiridos defendem a venda parcial da TAP, com o Estado a manter uma minoria de capital.

 

Por último, a possibilidade da venda total da companhia, reúne menos consenso entre os portugueses (8,6%).

 

Somando todas as respostas que admitem a venda de uma posição por parte do Estado, a maioria defende que a TAP passe a ter capital privado.

 

Eleitores tanto do PS como do PSD defendem a TAP nas mãos do Estado

 

A sondagem também analisou as respostas dos inquiridos à luz do seu voto nas eleições legislativas de 2011. Analisando por cada uma das possibilidades, a maioria dos inquiridos, seja qual for o partido - do PS, PSD, CDS, Bloco de Esquerda -, defende a manutenção da transportadora em mãos públicas. Isto à excepção dos eleitores da CDU, cuja maioria (50,5%) prefere a opção venda parcial, com o Estado a ficar maioritário.

 

A venda parcial é a segunda possibilidade a reunir maior consenso entre os diferentes partidos, à excepção do CDS. A segunda possibilidade mais defendida pelos centristas é a venda total da TAP (21,9%).

 

Olhando para a percentagem de eleitores de determinado partido que mais defende cada uma das respostas,  é entre os eleitores do Bloco de Esquerda que se encontra a maior percentagem de defensores da continuação do total do capital da TAP nas mãos do Estado (74,4%). Seguem-se os eleitores do PS (54,2%); CDS (49,3%); CDU (46,8%); PSD (39,1%).

 

A possibilidade de venda parcial, com o Estado a ficar com a maioria do capital, também recolhe maior consenso à esquerda, entre os eleitores da CDU (50,5%), seguido do PSD (31,9%), PS (26,7%), CDS (17,4%) e Bloco de Esquerda (17,1%).

 

A hipótese de venda parcial da companhia, com o Estado a ficar com uma posição minoritária, reúne maior consenso entre os eleitores do PS - 16%. Logo depois vem o PSD (11,7%), CDS (11,4%) e Bloco de Esquerda (4,1%).

 

Por último, a opção de venda total da TAP é mais defendida pelos eleitores do CDS (21,9%), seguindo-se PSD (15,4%), Bloco de Esquerda (4,4%) e PS (2,1%).

 

Caderno de encargos aprovado

 

Foi esta quinta-feira que foi aprovado o caderno de encargos de venda da TAP, que prevê a venda de 66% do capital da empresa. O novo investidor da transportadora vai ter que contribuir para o reforço financeiro da companhia, bem como assegurar a estabilidade laboral na empresa.

 

O caderno prevê também que a sede e a direcção da companhia fique em Portugal, e que seja avaliada a "contribuição do projecto para o crescimento da economia nacional".

 

 
FICHA TÉCNICA

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.


Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 601 entrevistas efectivas: 274 a homens e 331 a mulheres; 108 no Interior Centro Norte, 162 no Litoral Centro Norte, 92 no Sul e Ilhas, 165 em Lisboa e Setúbal e 74 no Grande Porto; 155 em aldeias, 205 em vilas e 241 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.


Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 9 a 12 de Janeiro de 2015, com uma taxa de resposta de 82,8%.


Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 601 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" - a 95% - de 4,00%).


Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.

(notícia corrigida às 19h58)

Ver comentários
Saber mais TAP transporte aéreo privatização Comissão de Trabalhadores da TAP Assembleia da República aviação
Outras Notícias