Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

86% dos accionistas da Impresa acompanha aumento de capital

A Impresa terminou ontem a negociação dos direitos relativos ao aumento de capital em curso. Nos sete dias de negociação, passaram pelo mercado um total de 9,92 milhões de direitos, correspondentes a 2,616 milhões de euros.

Pedro Carvalho pc@mediafin.pt 24 de Outubro de 2003 às 07:47
  • Partilhar artigo
  • ...

A Impresa terminou ontem a negociação dos direitos relativos ao aumento de capital em curso. Nos sete dias de negociação, passaram pelo mercado um total de 9,92 milhões de direitos, correspondentes a 2,616 milhões de euros.

O preço dos direitos [IPRS] oscilou entre um mínimo de 0,22 euros e um máximo de 0,30 euros, tendo o valor acompanhado a evolução da cotação da Impresa no mercado (ver gráfico). O valor teórico dos títulos no arranque foi de 0,24 euros e ontem encerram a valer 0,25 euros.

Antes do processo em curso para o reforço do capital social, a Impresa [IPR]tinha dispersas em bolsa 72 milhões de acções, a que correspondeu à emissão de um igual número de direitos. Por cada seis direitos, os accionistas podem subscrever uma nova acção, ao preço unitário de 1,66 euros.

Desta forma, dos 72 milhões de direitos passíveis de serem negociados em bolsa, um máximo de 14% passou pelo mercado. Este valor permite deduzir que, dos actuais accionistas da Impresa, pelos menos 86% mantiveram os direitos em carteira, indiciando a possibilidade de acompanharem o aumento de capital, já que o preço de subscrição dos direitos (1,66 euros) está abaixo da actual cotação da Impresa (3,14 euros).

Um accionista que tinha em carteira, por exemplo, 60 acções da Impresa, mantendo os direitos, poderá subscrever 10 novas acções ao preço de 1,66 euros, gastando 16,6 euros (suportando também os encargos cobrados pelo intermediário financeiro), quando o mercado está a avaliar as mesmas 10 acções a 31,40 euros.

O prazo para o exercício dos direitos começou no passado dia 15 de Outubro e irá prolongar-se até ao próximo dia 29 de Outubro, devendo os investidores detentores de direitos transmitir as ordens de subscrição aos intermediários financeiros junto dos quais se encontrem registados os respectivos direitos.

As acções da Impresa não subscritas durante este período serão objecto de rateio pelos accionistas que tenham declarado o desejo de subscrever uma quantidade de acções superior àquela a que tinham proporcionalmente direito, tendo o pedido de rateio de acompanhar a ordem de subscrição.

Os maiores accionistas da Impresa, ainda antes do arranque deste processo, já haviam garantido o acompanhamento da operação. Das 12 milhões de novas acções, a Impreger, Francisco Pinto Balsemão e o Banco BPI, que conjuntamente controlam cerca mais de 67% da Impresa, comprometeram-se a subscrever 6,8 milhões.

Após o exercício dos direitos e da satisfação das ordens de rateio, caso parte das 12 milhões de novas acções não tenha subscritor, o BPI e o BESI asseguram a compra das acções sobrantes, ou seja, até ao limite de 5,2 milhões de títulos.

Ver comentários
Outras Notícias