Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Abel denuncia pressões através da imprensa e da Comissão Europeia

A lei incentiva os recursos em Tribunal, as inúmeros interpretações a que se prestam as normas legais, o peso excessivo que se atribui às questões processuais, a barragem cerrada promovida pelos grandes escritórios de advogados, as pressões da imprensa ec

Negócios 13 de Março de 2008 às 00:20
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A lei incentiva os recursos em Tribunal, as inúmeros interpretações a que se prestam as normas legais, o peso excessivo que se atribui às questões processuais, a barragem cerrada promovida pelos grandes escritórios de advogados, as pressões da imprensa económica e da Comissão Europeia. Ninguém ficou de fora das críticas, umas mais veladas que outros, do ainda presidente da Autoridade da Concorrência (AdC), Abel Mateus.

No balanço dos seus cinco anos de mandato, realizado em sede de comissão parlamentar, Abel Mateus endureceu o discurso, visto como o da despedida. Sobre a sua continuação não fala. Não revela se mostrou disponibilidade ao Governo para ficar por mais um mandato de cinco anos. E à saída apenas referiu não ter recebido qualquer indicação do Executivo sobre a sua continuidade.

E nem esqueceu a sua condição de professor de economia para lembrar que estamos "confrontados com uma crise profunda na economia portuguesa: o mais prolongado período de divergência da média da UE". Uma afirmação que pode ter leituras políticas, mas que Abel Mateus se serviu para ilustrar a importância de uma Autoridade como a da Concorrência. E afirmou: "a Autoridade e as leis da concorrência não são um "fardo para as empresas" mas são, juntamente com os tribunais e a Comissão Europeia, os guardiões das regras de funcionamento eficiente dos mercados".

Ver comentários
Outras Notícias