A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Accionistas minoritários da Oi exigem acção contra a Portugal Telecom

Accionistas minoritários da Oi exigem que a empresa entre com uma acção de responsabilidade contra os administradores indicados pela Portugal Telecom, acusando-os de fraudes que empurraram a empresa para uma grave crise financeira.

Bloomberg
Lusa 26 de Julho de 2016 às 22:34
  • Assine já 1€/1 mês
  • 14
  • ...

"A recuperação judicial da Oi não é resultado da crise económica ou mesmo de má gestão. É decorrente, sim, da fraude conduzida pelos portugueses, que, aliás, estão a ser presos em Portugal", disse na segunda-feira Aurélio Valporto, vice-presidente da Associação de Investidores Minoritários do Brasil, citado pelo Jornal do Brasil.

 

O mesmo responsável acrescentou que "essa quadrilha empurrou para a companhia mil milhões em dívidas e terão de restituir esse dinheiro aos cofres da Oi e responder criminalmente pelos seus actos".

 

Na sexta-feira, durante a assembleia-geral extraordinária que aprovou o pedido de recuperação judicial da empresa, Aurélio Valporto, em nome dos minoritários, exigiu a abertura da acção judicial contra os portugueses.

 

O jornal escreve que, apesar de o pedido não ter sido aprovado na assembleia-geral, a questão voltará à agenda nos próximos dias.

 

Os conselheiros da Oi acusados pelos minoritários de actos lesivos contra a empresa são Luiz Maria Viana Palha da Silva, Rafael Luís Mora Funes, João Manuel Pisco de Castro, André Cardoso de Menezes Navarro e Pedro Zanãrtu Gubert Morais Leitão, todos indicados pela Pharol (antiga PT), maior accionista individual da empresa.

 

Aurélio Valporto referiu que, em 2014, em vez de comprar a operação da PT, a Oi e o Brasil ficaram, na verdade, com os passivos da empresa portuguesa. "A Oi entendeu que estava a incorporar uma operação saudável, que aumentaria a sua escala e traria benefícios para todos os accionistas. No entanto, a empresa ficou apenas com o osso da Portugal Telecom. Os portugueses usaram de sua influência no Conselho da Oi para empurrar esses passivos para dentro da empresa", acusou.

 

Para o representante dos accionistas minoritários, "este não é um crime apenas contra uma companhia, mas contra o próprio Brasil", porque há também dinheiro público na Oi.

 

Na assembleia da última sexta-feira, o empresário Nelson Tanure, integrante do comité de investimentos da gestora Bridge, detentora de 6,6% do capital votante da Oi, também defendeu o pedido de abertura de uma acção contra os administradores da empresa.

 

"Ela não está nessa situação por problemas de gestão, mas por responsabilidade da Portugal Telecom e dos seus representantes. Por isso, precisamos mudar a estrutura accionista e o Conselho da Oi", disse, segundo o Jornal do Brasil.

 

Na assembleia, os accionistas também questionaram a relação entre a operadora de telecomunicações e a Pharol, expressas nas participações societárias cruzadas e na composição de seus respectivos conselhos de administração.

 

A operadora brasileira entrou com um pedido de recuperação judicial a 20 de Junho, alegando não ter conseguido negociar a sua dívida de 65,4 mil milhões de reais (cerca de 18 mil milhões de euros).

 

A Justiça do Rio de Janeiro aprovou o pedido de recuperação judicial da companhia a 29 de Junho, dando um prazo de 180 dias para que elabore um plano de recuperação e faça a discussão das propostas junto dos seus credores.

Ver comentários
Saber mais Aurélio Valporto Associação de Investidores Minoritários do Brasil Luiz Maria Viana Palha da Silva Rafael Luís Mora Funes João Manuel Pisco de Castro André Cardoso de Menezes Navarro Pedro Zanãrtu Gubert Morais Leitão PT Brasil Portugal Telecom Conselho da Oi Nelson Tanure
Mais lidas
Outras Notícias