Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Actividade da Secil vai baixar em 2009

A CRH, cimenteira irlandesa que é accionista da Secil, estima uma quebra na actividade da empresa em Portugal. Ainda assim perspectiva uma quebra menos severa do que noutros mercados europeus onde está presente, como na Irlanda e Espanha. A companhia vai efectuar um aumento de capital para efectuar aquisições.

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 03 de Março de 2009 às 11:38
A CRH, cimenteira irlandesa que é accionista da Secil, estima uma quebra na actividade da empresa em Portugal. Ainda assim perspectiva uma quebra menos severa do que noutros mercados europeus onde está presente, como na Irlanda e Espanha. A companhia vai efectuar um aumento de capital para fazer aquisições.

A CRH, que é a segunda maior fabricante de materiais de construção do mundo, anunciou hoje uma queda de 13% nos lucros, para 1,25 mil milhões de euros, com as receitas a ficarem estáveis nos 20,9 mil milhões de euros.

A companhia, que desde Junho de 2004 controla 49% da Secil, perspectiva um nível de actividade “bem mais baixo” no primeiro semestre deste ano nos mercados da Europa e dos Estados Unidos.

No negócio de materiais de construção, os níveis de actividade na Irlanda e Espanha vão cair mais em 2009, perspectivando-se “quedas menos severas” na Finlândia e em Portugal, revela a CRH em comunicado.

Quanto ao desempenho da Secil no ano passado, a CRH revela que as três unidades industriais da empresa “operaram na capacidade máxima, tirando partido de um mercado exportador forte”.

A CRH refere que a Secil, cimenteira que é detida em 51% pela Semapa registou uma “performance positiva nas actividades fora de Portugal e reportou uma boa melhoria na performance operacional, devido a um ambiente de preços favorável e eficiência na produção”.

A Semapa ainda não reportou os resultados de 2008.

A CRH também anunciou hoje a realização de um aumento de capital de 1,24 mil milhões de euros, uma operação que tem como objectivo angariar fundos para a empresa aproveitar o baixo valor dos activos e realizar aquisições para crescer.

Ver comentários
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio