Aviação Administração da TAP pede esclarecimentos ao Constitucional sobre declarações de rendimentos

Administração da TAP pede esclarecimentos ao Constitucional sobre declarações de rendimentos

O presidente do Conselho de Administração da TAP disse esta sexta-feira à Lusa que "decidiu enviar um pedido de esclarecimento ao Tribunal Constitucional [TC]" sobre a entrega das declarações de rendimentos, na sequência das questões levantadas sobre o tema.
Administração da TAP pede esclarecimentos ao Constitucional sobre declarações de rendimentos
Miguel Baltazar
Lusa 23 de fevereiro de 2018 às 10:35
O Jornal Económico noticiou esta sexta-feira, 23 de Fevereiro, que "Gestores da TAP escapam ao Tribunal Constitucional", dando conta que, apesar de o Estado ter ficado com a maioria do capital da companhia aérea portuguesa, os administradores não entregaram declarações de rendimentos e património, apontado que os nomes indicados pelo Governo, como Miguel Frasquilho e Lacerda Machado, estão obrigados por lei.

Questionado pela Lusa sobre o tema, o presidente do conselho de administração da TAP, Miguel Frasquilho, começou por sublinhar que "a TAP não integra o Sector Empresarial do Estado".

Ou seja, todos e cada um dos administradores da TAP SGPS, S.A. são eleitos pela assembleia-geral da empresa e, portanto, resultam da escolha do conjunto dos accionistas da TAP SGPS S.A., sendo esta a origem da sua legitimação no desempenho das suas funções", acrescentou.

"Em todo o caso, dadas as questões que são levantadas, a TAP SGPS S.A., através de mim, decidiu enviar um pedido de esclarecimento ao Tribunal Constitucional sobre esta questão", disse Miguel Frasquilho.

"A TAP e os seus administradores aguardam o esclarecimento do Tribunal Constitucional e não deixarão, qualquer que ele seja, de o respeitar", garantiu ainda o presidente do Conselho de Administração à Lusa.



A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 23.02.2018

E foi este tipo deputado? Que exemplo de transparência. Estamos entregues a bicharada.

Anónimo 23.02.2018

Que chatice se descobrem mais dinheiro de sacos azuis! Ou patrimonio injustificado!

Era já uma investigação da PGR 23.02.2018

É já uma investigação da PGR para ver se o que ganham (declarado ou não ) é legal

Gente VIP é outra coisa 23.02.2018

Pensava que só determinadas entidades podiam dirigir-se ao TC mas pelos vistos gente VIP é outra coisa , até pedem pareceres ao TC (tambem não sabia que o TC dava pareceres)

ver mais comentários
pub