Banca & Finanças África do Sul cancela contratos públicos com KPMG

África do Sul cancela contratos públicos com KPMG

A KPMG auditou as contas de um banco que acabou por falir. Além disso, esteve ligada a auditoria a empresas que terão ganho contratos irregulares com o regime sul-africano. Os efeitos estão a sentir-se.
África do Sul cancela contratos públicos com KPMG
Bloomberg
Diogo Cavaleiro 17 de abril de 2018 às 18:26

O responsável máximo da auditoria na África do Sul decidiu terminar a ligação à KPMG. O auditor-geral determinou que os contratos a empresas do sector público, que eram feitos em seu nome, fossem cancelados. Com efeitos imediatos.

 

A entidade máxima da auditoria na África do Sul (denominada de AGSA) é a responsável por auditar todo o sector público sul-africano, trabalho para o qual contrata empresas de auditoria privada. Esta terça-feira, 17 de Abril, decidiu anular os contratos que envolviam a KPMG, uma das quatro grandes empresas do sector, e também uma outra entidade, a Nkonki.

 

As notícias na comunicação social sobre a auditoria externa ao banco VBS Mutual Bank, que faliu em Março passado, dizem ser esta uma das razões invocadas para a decisão. Os responsáveis directos pela auditoria ao banco já abandonaram a entidade.

 

Contudo, a KPMG de África do Sul defende, em comunicado neste fim-de-semana, que "muito mais tem de ser feito para reafirmar a confiança pública" na auditora.

A ligação à família Gupta, acusada de ter utilizado a sua influência sobre o antigo presidente, Jacob Zuma, para ganhar contratos, também é referida pela imprensa internacional para a tomada de posição. A KPMG rejeita qualquer ligação a branqueamento de capitais. 

O auditor-geral argumenta que as decisões de cancelar os contratos não configuram um julgamento, mas sim o reconhecimento de que "há riscos reputacionais" caso os mantivesse. 

 

A decisão do auditor-geral foi tomada no mesmo dia em que se soube que, em Portugal, o supervisor da banca acusou a KPMG, o seu presidente, Sikander Sattar, e dois outros responsáveis, pela auditoria ao Banco Espírito Santo.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub