Turismo & Lazer Alemães são os que mais gastam entre os estrangeiros que mais visitam Portugal

Alemães são os que mais gastam entre os estrangeiros que mais visitam Portugal

Os turistas da Arábia Saudita são os que mais gastam quando viajam para fora de portas. Entre os países de origem de mais turistas a Portugal, a Alemanha lidera os gastos, de acordo com o estudo Global Travel Intentions (GTI) da Visa.
Alemães são os que mais gastam entre os estrangeiros que mais visitam Portugal
Bruno Simão/Negócios
Raquel Murgeira 13 de março de 2018 às 15:46

De entre as três nacionalidades que mais contribuem para o turismo português (Reino Unido, França e Alemanha), os alemães são os que mais desembolsam, por pessoa, em viagens ao estrangeiro, superando assim os turistas ingleses e franceses ao que aos gastos diz respeito. Ainda assim, os gastos dos turistas oriundos da Alemanha estão abaixo da média mundial. 

Desta forma, "os viajantes alemães gastam uma média de 1.152 euros em viagens no estrangeiro, abaixo da média global de 1.465 euros, mas superior aos 1.052 euros gastos por turistas britânicos por viagem ou aos 959 euros desembolsados por viajantes franceses, estes são os que menos gastam em relação à média europeia", segundo dados divulgados em comunicado do estudo Global Travel Intentions da Visa.

Apesar da média global de gastos em relação a viagens ao estrangeiro por parte dos turistas ser de 1.465 euros, em deslocações futuras, os viajantes pretendem gastar um valor de 1.982 euros, um aumento de 36,25% face aos últimos valores, revela o inquérito divulgado hoje pela Visa. No mesmo sentido, os países que têm os turistas que mais gastam são: a Arábia Saudita (1.º), a China (2.º), a Austrália (3.º), os EUA (4.º) e o Kuwait (5.º). 

A análise da Visa revela ainda que, entre os três países de origem de mais turistas para Portugal, os alemães são os que mais jantam fora (47%), seguidos pelos franceses (46%) e pelos britânicos (44%). As actividades onde aplicam a maior parte do orçamento da viagem são em gastronomia, compras, visitas culturais e entretenimento.

O estudo foi conduzido "em conjunto com a empresa de pesquisa e business intelligence ORC International tendo angariado dados de 12.400 entrevistados em 27 mercados – incluindo Reino Unido, França e Alemanha". A Visa pretende analisar as preferências turísticas em termos de pagamentos, consumo médio e as áreas de maior investimento durante as viagens no estrangeiro.

O estudo Global Travel Intentions (GTI) da Visa mostra que em 2017, 83% dos turistas utilizaram tecnologia para planear as viagens, em comparação com 78% em 2015. O estudo destacou ainda outros aspectos da viagem dos turistas, como por exemplo, o motivo da viagem é maioritariamente impulsionado para aliviar o stress. Por outro lado, um dos aspectos que traz mais ansiedade aos viajantes é a obtenção, posse e câmbio de dinheiro.

Destes três países analisados pela Visa (por serem os principais emissores de turistas para Portugal), os cartões são o método de pagamento preferido para os turistas franceses (80%), britânicos (70%) e alemães (47%) ao executarem pagamentos como reservas, aquisição de voos, ou alojamento. Já no destino da viagem, apenas 9% dos viajantes britânicos optam por levantar dinheiro, a tendência mantém-se também em relação aos turistas alemães (26%) e franceses (33%).

 

Relativamente aos pagamentos móveis, a tendência é também para aumentar, especialmente na Europa. De acordo com o estudo Digital Payments da Visa realizado em 2017, o número de consumidores que utiliza com frequência um dispositivo móvel para efectuar pagamentos triplicou nesse ano em função do ano anterior.

O estudo Global Travel Intentions da Visa concluiu ainda que os destinos de eleição dos turistas são: Japão (1.º), Estados Unidos da América (2.º) e Austrália (3.º). Portugal recebeu mais de 28 milhões de turistas em 2016, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub