Telecomunicações Altice Portugal apaga PT mas não renega herança
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Altice Portugal apaga PT mas não renega herança

A Altice Portugal, afinal, vai manter cinco marcas comerciais. Uma delas é a Meo, que continuará a ser a insígnia para o serviço de televisão da operadora, que no entanto está a retirar a marcar PT dos edifícios emblemáticos.
Altice Portugal apaga PT mas não renega herança
Miguel Baltazar
Alexandra Machado 13 de março de 2018 às 22:55

A Altice Portugal é a marca institucional, mas há insígnias comerciais da antiga PT que vão ser mantidas: Uzo, Sapo, Moche, PT Empresas e Meo.

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 14.03.2018

Resumindo o anónimo dos textos eruditos.... O que quer dizer é que os Comunistas da China se estão a sair melhor que os Judeus de Israel... o resto é lengalenga neo-liberal...

Anónimo 14.03.2018

Ao contrário de outras empresas do sector, a PT nada teve de inovador ao longo da sua história. A PT tinha um monopólio protegido e por vezes subsidiado, importava tecnologia sob a forma de hardware e software, e o dinheiro rolava neste cantinho à beira mar plantado. Depois tentou expandir-se para o único sítio onde tinha competência para penetrar sem ser votada à mais absoluta irrelevância - o Terceiro Mundo, e nem aí foi bem sucedida. Mais nada. É mais ou menos como a EDP, se bem que esta última, para além de operar num sector caracterizado por uma conjuntura assente em forte subsidio-dependência estrutural, está a aprender com os estrangeiros do Primeiro Mundo e com os erros da própria história de insucesso da PT. Pode ser que no final se saia bem melhor se aprender também a erradicar o excedentarismo e sobrepagamento de carreira de forma conveniente e atempada.

Anónimo 14.03.2018

A Portugal Telecom ia ser um player internacional mas foi comida por quem sabe fazer e tem condições para saber fazer. Mais um capítulo se encerrou nas quixotescas desventuras da pobrezinha, provinciana e dependente economia lusitana.

Anónimo 14.03.2018

Mudam de nome mas mantem-se os vigaros e larapios...

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
Saber mais e Alertas
pub