Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Analistas destacam receitas de "trading" e actividade internacional do BES

O Banco Espírito Santo (BES) apresentou ontem os seus resultados relativos ao primeiro trimestre deste ano, números que ficaram acima das previsões dos analistas. O Caixa BI considera os resultados do banco "globalmente positivos", enquanto o Millennium Investment Banking (IB) sublinha a contribuição das receitas de "trading" e da actividade internacional.

Raquel Godinho rgodinho@negocios.pt 04 de Maio de 2010 às 10:18
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...
O Banco Espírito Santo (BES) apresentou ontem os seus resultados relativos ao primeiro trimestre deste ano, números que ficaram acima das previsões dos analistas. O Caixa BI considera os resultados do banco “globalmente positivos”, enquanto o Millennium Investment Banking (IB) sublinha a contribuição das receitas de “trading” e da actividade internacional.

O BES anunciou ontem, após o fecho do mercado, que obteve lucros de 119,1 milhões de euros nos primeiros três meses deste ano, um aumento de 17,6% face ao período homólogo. Este resultado superou as estimativas dos analistas consultados pela agência Reuters que previam lucros de 89 milhões de euros.

No “Daily” de hoje, André Rodrigues, analista do Caixa BI explica que o resultado líquido do BES ficou cerca de 33,6 milhões de euros acima das suas estimativas, o que ficou a dever-se sobretudo ao comportamento “mais positivo do que o esperado em duas áreas”.

São elas os “resultados em operações financeiras (‘trading’) com um resultado de 93,1 milhões de euros face aos 56,1 milhões de euros estimados e imparidades para crédito com 80 milhões de euros face aos 100,7 milhões de euros estimados, ou seja com o custo do risco a ascender a 62 pontos base (p.b.) face aos 79 p.b. previstos e face ao ‘guidance’ de 76-80 p.b. do próprio BES”.

O mesmo especialista destaca “a pressão verificada actualmente na margem financeira (141 p.b. face aos 193 p.b. no primeiro trimestre de 2009)”. A justificar este comportamento estão as baixas taxas de juro e o desaparecimento de alguns factores que impulsionaram este indicador até ao terceiro trimestre do ano passado, nomeadamente a politica de ‘repricing’ que está praticamente concluída.

Também o aumento da competitividade no âmbito dos depósitos teve um efeito negativo na margem do BES. Por outro lado, o analista sublinha também o controlo de custos operacionais. André Rodrigues ressalva ainda a “solidez” do BES no que diz respeito ao balanço nas áreas de capital, liquidez e cobertura de crédito vencido.

“Entendemos que os resultados foram globalmente positivos, num contexto marcado por um enquadramento macroeconómico ainda adverso em Portugal com impacto considerável na rendibilidade do sector (ROE ascendeu a 8,1%)”, adiantou André Rodrigues.

A suportar os resultados da instituição liderada por Ricardo Salgado estiveram a estabilização das receitas com comissões, os ganhos de ‘trading’ “muito fortes” e o desempenho positivo da actividade internacional, que representou cerca de 40% do resultado consolidado do BES.

André Rodrigues atribui uma recomendação de “comprar” e um preço-alvo de 5,80 euros.

Já a analista Rita Silva, do Millennium IB, avança que os resultados obtidos pelo BES no primeiro trimestre do ano surpreenderam pela positiva “impulsionados pelas suas actividades internacionais, enquanto em Portugal foi testemunhada uma clara tendência de quebra”.

A mesma analista adianta que as actividades de ‘trading’ foram “outra revelação positiva”. Outros aspectos positivos são também o crescimento do crédito e uma posição de liquidez “confortável”.

No que toca à evolução da margem financeira consolidada do banco, esta subiu 1% no trimestre e desceu 20% face ao período homólogo. “A margem financeira doméstica deteriorou-se mais do que esperávamos e a internacional melhorou muito mais do que tínhamos previsto”, refere Rita Silva.

O Millennium IB recomenda “comprar” as acções do BES as quais avalia em 5,90 euros.

As acções do BES seguem a desvalorizar 1,71% para os 3,44 euros, depois de já terem chegado a apreciar 2,77% para os 3,597 euros.

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias