Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Analistas divergem quanto a impacto das audiências de TV na Impresa

Os analistas divergem quanto ao impacto das audiências obtidas em Fevereiro na Impresa, que perdeu o segundo lugar para a RTP1. Enquanto o BPI considera que estas foram "positivas" para a empresa liderada por Francisco Pinto Balsemão, o Espírito Santo Research (ESR) apresenta uma visão "negativa". As acções desvalorizavam mais de 4%.

Raquel Godinho rgodinho@negocios.pt 03 de Março de 2009 às 10:39
Os analistas divergem quanto ao impacto das audiências obtidas em Fevereiro na Impresa, que perdeu o segundo lugar para a RTP1. Enquanto o BPI considera que estas foram “positivas” para a empresa liderada por Francisco Pinto Balsemão, o Espírito Santo Research (ESR) apresenta uma visão “negativa”. As acções desvalorizavam mais de 4%.

No segundo mês do ano, a TVI manteve a liderança das audiências, apesar da queda de 0,2 pontos percentuais (p.p.) face a Janeiro para os 28,7% de “share”. A SIC da Impresa perdeu a segunda posição ao registar uma descida de 1,4 p.p. relativamente ao mês anterior para um “share” de 24,4%. A RTP1 obteve uma audiência média de 25,9%, depois de ter avançado 0,4 p.p. face a Janeiro.

O analista do BPI, Tiago Veiga Anjos, consideram que estes números deverão ter um impacto “positivo” para a Impresa, frisando que “apesar da perda de audiência relativamente a Janeiro e do segundo lugar no ‘ranking’ para a RTP1, a SIC foi capaz de manter uma audiência média em Fevereiro (média de 25,2% em Janeiro-Fevereiro de 2009) acima da nossa actual estimativa para o acumulado de 2009”.

O banco de investimento revela-se “extremamente conservador” quanto à audiência da SIC nas estimativas para a Impresa. O BPI antecipa um “share” de 23,2% para o referido canal de televisão em 2009.

Tiago Veiga Anjos antecipa um impacto “negativo” para a Media Capital, dona da TVI, uma vez que nas suas estimativas esperava “que a TVI mantivesse a mesma média que registou em 2008, 30,5%” e “desde o início do ano, a média registada pela TVI mantém-se 1,7 p.p. abaixo desse limiar”.

O analista do BPI recomenda “vender” as acções da Impresa e “acumular” os títulos da Media Capital. A empresa conduzida por Pinto Balsemão apresenta uma avaliação de 0,70 euros por acção enquanto o preço-alvo da Media Capital é de 4,15 euros.

“Esta evolução é negativa para a Impresa e sublinhamos o facto de que segmento de ‘pay-TV’ também conseguiu melhorar substancialmente a sua posição no ‘prime-time’, o que vemos como um risco adicional para a Impresa daqui para a frente, especialmente considerando a actual situação do mercado publicitário português, onde os últimos relatórios indicam quebras de dois dígitos no início do ano”, afirmam os analistas do ESR.

Estes responsáveis apresentam um “rating” de “vender” para a Impresa, cujas acções avaliam em 0,70 euros.

Trocaram de mãos 4140 acções da Impresa que seguiam a desvalorizar 4,17% para os 0,69 euros. A Media Capital não transacciona desde 26 de Fevereiro, data em que desceu 8,81% para os 3,00 euros.



Ver comentários
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio