Tecnologias Apple confirma compra do Shazam

Apple confirma compra do Shazam

A aplicação de origem britânica, usada para identificar músicas mas não só, passa para as mãos da Apple, confirmou a empresa esta segunda-feira.
Apple confirma compra do Shazam
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 11 de dezembro de 2017 às 17:21
A Apple confirmou esta segunda-feira que vai comprar a aplicação tecnológica de identificação de músicas Shazam, naquela que será a maior aquisição feita pela empresa da maçã desde a Beats, comprada há três anos por 3 mil milhões de dólares.

"Estamos entusiasmados que a Shazam e a sua equipa talentosa se juntem à Apple. A Apple Music e a Shazam são naturalmente complementares, partilhando uma paixão pela descoberta da música e por proporcionar excelentes experiências musicais aos nossos utilizadores. Temos planos entusiasmantes preparados e esperamos juntar-nos à Shazam assim que seja aprovado o acordo assinado hoje," refere fonte da Apple ao Financial Times. 

O valor concreto da transacção não foi divulgado, mas o Financial Times cita pessoas próximas do processo que apontam para uma valorização próxima dos 400 milhões de dólares (cerca de 340 milhões de euros à cotação actual), um número semelhante ao que tinha sido indicado este fim-de-semana pelo TechCrunch, que avançou a notícia em primeira mão.

O valor fica contudo muito abaixo dos mil milhões de dólares em que a empresa foi avaliada na última ronda de financiamento da empresa. A transacção está ainda dependente da aprovação da concorrência.

A Shazam já está actualmente integrada com serviços como Apple Music, o assistente virtual Siri, o Snapchat e o Spotify. Há mais de um ano, a aplicação - que começou por ser, em 1999, um serviço acessível através de mensagem SMS, chamado 2580 no Reino Unido - estimava ter superado mil milhões de downloads.

A aplicação em causa permite, através da captação de um fragmento de som, identificar a música que está a ser reproduzida, apresentando o títulos e outros pormenores, como o nome do autor, além de permitir tocar um trecho da música e adquiri-la.

As acções da Apple sobem 1,54% para 171,98 dólares.