Banca & Finanças Banca portuguesa reduz dependência do BCE para mínimos de quase oito anos

Banca portuguesa reduz dependência do BCE para mínimos de quase oito anos

É preciso recuar para antes da vinda da troika para Portugal para se encontrar um nível de dependência da banca nacional do BCE tão baixo.
Banca portuguesa reduz dependência do BCE para mínimos de quase oito anos
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 13 de março de 2018 às 08:57
O financiamento da banca portuguesa junto do Banco Central Europeu (BCE) voltou a diminuir, em Fevereiro, sendo este o sexto mês consecutivo de descida, de acordo com os dados divulgados esta manhã pelo Banco de Portugal.

No total, os bancos portugueses têm 21,99 mil milhões de euros de empréstimos junto do BCE, o que corresponde a uma queda de 3,27% em termos homólogos. Ou seja, desde Fevereiro do ano que a banca já reembolsou 744 milhões de euros ao banco central.

O valor registado em Fevereiro é o mais baixo desde Abril de 2010, um período já marcado pela crise financeira mundial, e que antecedeu um pedido de ajuda financeira de Portugal. Em Abril de 2010, o montante de financiamento da banca portuguesa junto do BCE estava nos 17,7 mil milhões de euros. No mês seguinte disparou para mais de 35,7 mil milhões de euros, num ambiente de fecho dos mercados. 

Em 2010, já se vivia a crise de dívida na Europa, com a Grécia sob resgate financeiro. Um contexto que levou ao "fecho" do mercado normal de financiamento. 

No caso de Portugal, o pico de dependência da banca nacional do BCE foi atingido em Junho de 2012, ao superar os 60,5 mil milhões de euros.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 13.03.2018

A banca tuga é o Montopio, o Novo Banco e a CGDespósitos. Vem Maduro Caracas o socialismo internacional espera por ti.

General Ciresp 13.03.2018

Poder-se-a dizer q a divida portuguesa ja e comparada a um CANCRO em fase terminal,quer isto dizer q ele ja tem raizes por todo o corpo.A casalinho bem tenta alimenta-lo com MORFINA,mas o raio da MORFINA so alivia as dores,mas o cancro,esse mal persegue o seu caminho sem interrupcoes.Pobre doente.

pub