Banca & Finanças Banco de fomento não será transformado num banco mau, garante Governo

Banco de fomento não será transformado num banco mau, garante Governo

Caldeira Cabral diz que o banco vai servir apenas para apoiar as empresas e que o Executivo está a tentar junto das instituições europeias alargar o âmbito de actuação da instituição.
Banco de fomento não será transformado num banco mau, garante Governo
Miguel Baltazar
André Cabrita-Mendes 20 de abril de 2016 às 15:58

António Costa defendeu a criação de um banco mau para colocar o crédito malparado da banca em Portugal. O primeiro-ministro não se comprometeu com o modelo a adoptar, mas prometeu que não vai ter custos para os contribuintes. Mais tarde, Bruxelas veio sugerir que o banco de fomento pode vir a ajudar neste processo.

Mas o ministro da Economia garantiu esta quarta-feira, 20 de Abril, que a Instituição Financeira de Desenvolvimento(IFD) não vai ser usada como veículo para agrupar os activos tóxicos da banca portuguesa.

"A IFD não é a instituição prevista para banco mau ou para ter essas características. Será uma instituição com características grossistas, é essa a ideia para a IFD", disse Manuel Caldeira Cabral (na foto) no Parlamento.

O governante respondia ao deputado Pedro Mota Soares (CDS) que tinha questionado o destino da instituição. "Ainda não percebemos o que é que o Governo vai fazer. Esse banco mau poderia ser o banco de fomento?". Mota Soares elogiou a criação da IFD pelo anterior Governo, considerando que este poderia ser um "instrumento importante para ajudar as empresas".

O ministro sublinhou que o Governo não é "contra" a instituição, mas o que herdou "foi uma IFD sem essas características".

"A
 IFD era para ser uma coisa que ao fim de quatro anos de Governo não era. Estamos a tentar junto das instituições comunitárias alargar o âmbito da actuação do IFD", disse Caldeira Cabral.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI