Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bancos portugueses vão ser sujeitos a três testes de stress por ano

O Banco de Portugal revelou hoje que as instituições financeiras serão sujeitas a três tipos diferentes de testes de resistência em cada ano, um dedicado às análises de sensibilidade, outro aos cenários e outro aos "reverse stress tests".

Lusa 15 de Março de 2011 às 17:34
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
No Boletim Oficial de Março, o supervisor bancário publicou a Instrução 4/2011, dedicada aos testes de esforço que avaliarão todas as instituições de crédito e empresas de investimento sujeitas à supervisão do Banco de Portugal.

Os exames visam analisar a gestão do risco, as sensibilidades, os cenários e os 'reverse stress tests', que têm por objectivo identificar as condições que comprometem o modelo de negócio das instituições e eventuais falhas que o mesmo possua.

O Banco de Portugal vai ainda submeter os bancos a relatórios de autoavaliação e permite-lhes que sugiram medidas correctivas, admitindo ainda, caso considere necessário, solicitar testes pontuais às instituições.

Estes testes são paralelos aos que serão produzidos pela Autoridade Bancária Europeia e serão reportados periodicamente ao Banco de Portugal.

Os relatórios com os resultados dos testes de esforço e da autoavaliação sobre a sensibilidade serão enviados à entidade liderada por Carlos Costa semestralmente (com datas de referência a 30 de Junho e 31 de Dezembro), ao passo que as análises de cenário e os 'reverse stress tests' terão uma periodicidade anual, com data de referência de 31 de Dezembro.

O Banco de Portugal define os seguintes riscos materiais que devem ser avaliados: risco de crédito, operacional, de mercado, de contraparte, de concentração, de taxa de juro da carteira bancária, de flutuações de mercado, de liquidez, de reputação e de correlação.

O risco operacional (incluindo o risco dos sistemas informáticos e os riscos de 'compliance' e legal), o risco de reputação, os efeitos indirectos do risco de mercado (impacto potencial nas carteiras geridas, quer pela sua desvalorização, quer pela saída de clientes), e o risco de correlação entre riscos e factores de risco são os que devem merecer "particular atenção", segundo o supervisor.

Ver comentários
Saber mais Banco de Portugal testes de stress
Outras Notícias