Banca & Finanças Banqueiro que comprou clientes do suíço Privée é novo dono do ex-BES Miami

Banqueiro que comprou clientes do suíço Privée é novo dono do ex-BES Miami

Depois de um grupo venezuelano, que não concretizou a aquisição, o antigo BES Miami, agora Brickell Bank, atraiu um interessado suíço. O banco de Joseph Benhamou e a família já tinham ficado com parte da clientela do Banque Privée.
Banqueiro que comprou clientes do suíço Privée é novo dono do ex-BES Miami
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 05 de fevereiro de 2018 às 12:09

O antigo BES Miami tem um novo comprador. O agora denominado Brickel Bank tem no banqueiro Joseph Benhamou, e na sua família, os novos proprietários. Este é o segundo procedimento para a alienação deste activo, que pertence actualmente ao BES mau. É, também, o segundo processo através do qual o grupo suíço fica com activos do antigo Grupo Espírito Santo. 

 

O anúncio, datado de 29 de Janeiro, foi noticiado este fim-de-semana pelo Jornal Económico, estando a informação publicada no site oficial da instituição financeira sediada em Miami, Florida, Estados Unidos.

 

O comprador é Joseph Benhamou, que tem no curriculum a presidência executiva do CBH Compagnie Bancaire Helvétique, banco de que a sua família é accionista. "A família Benhamou tem uma longa história na banca internacional com particular especialização na banca privada e na gestão de património", assinala o comunicado, citando o presidente do banco do antigo Grupo Espírito Santo, Frederick Reinhardt.

 

Grupo helvético ganhou clientes com queda do GES

 

Para o grupo suíço, a transacção é a oportunidade para expandir-se para países da América Latina, com que o banco do antigo Grupo Espírito Santo foi ganhando proximidade ao longo da sua actividade.

 

Esta é a segunda aquisição da família Benhamou ligada ao GES. O banco helvético CBH foi constituído em 1975 sendo que, em 2014, a instituição financeira adquiriu a maioria da carteira de clientes de banca privada do Banque Privée Espírito Santo, o banco suíço que pertencia ao grupo de que Ricardo Salgado (na foto) era a principal face. Além disso, também ficou com trabalhadores.

 

BES queria vender por 10 milhões

 

Não há, no comunicado, indicações do preço a que o negócio foi concretizado.

 

Como o Negócios noticiara em Outubro, a expectativa da auditora do vendedor, a Pkf, era, em Maio passado, a de que a venda poderia render cerca de 10 milhões de dólares.

 

A operação ainda aguarda as "habituais aprovações regulatórias". Foi precisamente nesta fase que falhou o primeiro procedimento para a venda do BES Miami. No final de 2016, o grupo comprador, liderado pela família venezuelana Benacerraf, optou por não dar seguimento ao acordo de aquisição de até 15 milhões de euros assinado em Abril de 2015.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI